Celso Russomanno é o mais bem votado do Brasil e da história do PRB

Em São Paulo, republicano recebeu mais de 1,52 milhão de votos e foi o segundo mais votado na história do país

Publicado em 06/10/2014 - 00:00

Brasília (DF) – Com mais de 1,52 milhão de votos (7,26% dos votos válidos), Celso Russomanno, do PRB, foi o candidato mais bem votado do Brasil nas eleições de 2014 e marcou a história do PRB nas urnas. O republicano liderou a disputa rumo à Câmara Federal no maior colégio eleitoral no país com cerca de 32 milhões de eleitores e arrebanhou o título de deputado federal mais bem votado pelo Estado de São Paulo e o segundo da história do país.

O recorde de votos para deputado federal no Brasil ainda pertence a Enéas Ferreira Carneiro, do extinto Prona, que morreu em 2007. Nas eleições de 2002, ele obteve mais de 1,57 milhão de votos, também pelo Estado de São Paulo. Em 2010, o recordista havia sido Tiririca, agora desbancado por Celso nessas eleições.

Russomanno segue agora rumo ao quinto mandato. O republicano já atuou na Câmara Federal entre os anos de 1995 a 2010. Em outras eleições, o republicano também obteve votos expressivos, como em 2006, quando recebeu quase 600 mil. Mas o recorde fica por conta das eleições de 2014.

Como o PRB não fez parte de nenhuma coligação no Estado de São Paulo, Russomanno foi “puxador de votos” e ajudou na eleição de mais quatro deputados federais. São eles:  Sérgio Reis, eleito com 45.330; Beto Mansur, que recebeu 31.301 votos; Marcelo Squassoni, eleito com 30.315 votos e Fausto Pinato, que recebeu o apoio de 22.097 eleitores. Só em São Paulo, a legenda contabilizou para o Congresso Nacional mais de 2,2 milhões de votos.

Eleitos pelo quociente eleitoral estão Antonio Bulhões, reeleito com 137.939 votos; Roberto Alves, que obteve 130.576 votos e Vinicius Carvalho, que recebeu o apoio de 80.643 eleitores.

A bancada federal do PRB elegeu 21 deputados e a estadual atingiu a marca de 32 eleitos. Leia aqui.

Texto: Laize Andrade / Agência PRB Nacional
Foto: Douglas Gomes

 

 

Reportar Erro