Órfãos da pandemia: como ficam as crianças que perderam seus pais para a Covid-19?

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

Publicado em 03/11/2021 - 10:08

Na última semana, concedi, como procuradora-adjunta da Procuradoria da Mulher da Câmara dos Deputados, entrevista para o programa Elas Pautam – iniciativa da Secretaria da Mulher com a TV Câmara – para tratar sobre os danos da pandemia para filhos que perderam os pais. Um assunto delicado e triste, tendo em vista que as crianças são principais vítimas indiretas da crise econômica, social, sanitária e humanitária, da suspensão das aulas, das creches. São as principais vítimas no que diz respeito à morte dos seus pais, avós e responsáveis legais.

A covid-19 deixou 12.211 mil órfãos de até 6 anos no país, é o que mostra a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil). Segundo o estudo, feito entre 16 de março de 2020 e 24 de setembro deste ano, 25,6% das crianças de até seis anos que perderam um dos pais na pandemia não tinham completado um ano.

Ao todo, são pelo menos 130 mil crianças e adolescentes que perderam pai e mãe na pandemia, de acordo um cálculo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Dados de outra pesquisa realizada em 21 países e publicada na revista The Lancet apontam que mais de 1,1 milhão de crianças e adolescentes perderam um dos pais ou dos cuidadores primários em decorrência da doença, considerando o período de 1º de março de 2020 e 30 de abril de 2021.

Uma das grandes preocupações, nos casos de morte prematura dos pais, é com o desamparo afetivo, que pode trazer consequências na vida adulta, gerando pessoas mais inseguras, com dificuldade para se relacionar no mercado de trabalho, na própria relação amorosa e de amizade. E como amparar emocionalmente as crianças órfãs? Especialistas dizem que a verdade deve ser a base do diálogo com as crianças. Também é preciso uma rede de apoio, de familiares e cuidadores. Há necessidade de políticas públicas para esse apoio emocional.

O desafio do Parlamento, portanto, é propor e aprovar políticas públicas que garantam o cuidado e atenção para prover esta população com apoio social, emocional, psicológico, educacional e de saúde. É necessário estruturar e integrar políticas públicas envolvendo órgãos como a Justiça, o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (Suas) e fortalecer os órgãos que atuam no sistema de defesa de direitos de crianças e adolescentes e na assistência social, como os conselhos tutelares, os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e os Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS).

É preciso avaliar de forma mais humanizada o que fazer nesta situação de vulnerabilidade. É necessário criar programas, inclusive com subsidio financeiro, que possam impedir maiores violações dos direitos desses pequenos e jovens. Em Campinas, a Prefeitura lançou o “Campinas Protege”, um programa de auxílio no valor de R$ 1,5 mil por criança ou adolescente que perdeu os pais ou responsáveis por conta da covid-19 na cidade e no estado de São Paulo foi anunciada a criação de um auxílio para pessoas que perderam um parente para Covid-19. O benefício irá para famílias inscritas no CadÚnico.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos também tem atuado e lançou, neste ano, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), um edital “para realizar diagnóstico sobre a realidade vivenciada por crianças, adolescentes e famílias neste período, identificando principais efeitos psicossociais gerados pelo contexto relacionado à pandemia. A ação se deu por meio da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Na Câmara dos Deputados, sou 1ª procuradora-adjunta da Procuradoria da Mulher e suplente da Comissão dos Direitos da Mulher. Tenho trabalhado para garantir os direitos femininos, da criança e do adolescente. Contem comigo para mais essa batalha. A entrevista será veiculada no programa “Elas Pautam” no dia 03 de dezembro, às 20h30, pelo canal da TV câmara.

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

 

Reportar Erro
Send this to a friend