Eleições: a importância do protagonismo eleitoral entre os jovens

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

Publicado em 07/10/2020 - 16:36

As eleições estão se aproximando e muitos jovens entre 16 e 17 anos de idade ainda enfrentam dúvidas se vão ou não às urnas. Outros, porém, já avaliam qual representante escolherão.  Esses eleitores vão eleger novos prefeitos e vereadores em 5.569 municípios – de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – espalhados pelo Brasil no pleito marcado para o dia 15 de novembro.

O alistamento eleitoral é obrigatório para maiores de 18 anos, mas para àqueles entre 16 e 17, o voto é facultativo e foi concedido quando constituintes consideraram que esse direito incentivaria a participação política e social dos mais jovens no destino do país.

Votar responsavelmente é uma das melhores formas de exercer a cidadania, é uma ferramenta no combate à corrupção que, em grande parte, tem origem na omissão do voto consciente.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), o Brasil tem 47,3 milhões de jovens, de 15 a 29 anos de idade. Desse total, 1.030.563 são jovens de 16 ou 17 anos, o equivalente a 0,7% do eleitorado e, neste ano, sua participação poderá ser a menor nas últimas três décadas.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a redução tem ocorrido historicamente, mas pode ter sido acentuada pelo fechamento dos cartórios eleitorais em razão da pandemia de Covid-19.

As eleições municipais de 2020 terão um protocolo sanitário para evitar a disseminação de coronavírus. Entre as regras estão a obrigatoriedade do uso de máscaras pelos eleitores e mesários e os locais de votação serão adaptados para manter distanciamento mínimo de 1 metro. Também haverá álcool em gel disponível antes e depois da votação. O horário foi ampliado em uma hora para evitar aglomerações.

Portanto, se você é jovem, exerça com segurança a sua cidadania, pois o seu voto pode ser determinante nas eleições. Também fique atento na escolha do candidato: busque conhecer mais sobre ele, utilize os meios digitais para pesquisar e entender os projetos e ideias dele, não estimule o fake news, verifique se o seu candidato cumpriu o que prometeu nos mandatos anteriores e se há recursos disponíveis para executar os projetos que ele está propondo.

No geral, jovens têm mais escolaridade que as gerações anteriores e acabam influenciando o voto das pessoas do seu círculo social, como pais e avós. Pesquisas demonstram que a rede de amizades e familiares é o fator que mais influência na escolha dos candidatos e o jovem costuma ter um voto crítico.

Votar com consciência gera resultados positivos para o país. Em uma democracia, o voto é o nosso maior patrimônio e deve ser exercido com critério e responsabilidade.

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

Reportar Erro