Dia da Síndrome de Down: um cromossomo a mais de amor

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

Publicado em 21/03/2022 - 14:42

O mês de março marca, no mundo inteiro, o dia da conscientização sobre a síndrome de Down. A data (21) foi criada pela Síndrome de Down Internacional e seu reconhecimento oficial pela Organização das Nações Unidas. 

Muito já foi feito para quebrar preconceitos, tanto na vida em sociedade quanto na escola, mas é preciso avançar mostrando que ser Down não impede o desempenho da maior parte das atividades diárias.

Eu sou defensora da cauda da pessoa com deficiência muito antes de assumir o mandato como parlamentar. Atuei em ações voluntárias e em intuições que prestam apoio ao Down, autistas e suas famílias. Foi com essa experiência que fui aprendendo que mais importante do que estimular uma criança com Down a fazer aquilo que é o esperado para sua faixa etária, é fundamental observar suas tendências, gostos e seus talentos naturais.

Hoje, crianças com Down conseguem ler e escrever e, os jovens se formam, trabalham, se relacionam. Eles têm uma vida normal. Há um século, na década de 1920, uma pessoa com Down vivia, em média, apenas 9 anos. Atualmente, com o avanço na medicina, tecnológico e terapêutico, elas vivem cerca de 60 anos. 

Isso direciona novas estratégias e serviços voltados à melhoria das condições de vida desta população. E é claro que a inclusão dessas pessoas também teve um papel importantíssimo no aumento da expectativa de vida. 

De acordo com a Associação Brasileira de Síndrome de Down, estima-se que no Brasil 1 em cada 700 nascimentos ocorre o caso de trissomia 21, que totaliza em torno de 270 mil pessoas com síndrome de Down. No mundo, a incidência estimada é de 1 em 1 mil nascidos vivos. A cada ano, cerca de 3 a 5 mil crianças nascem com síndrome de Down.

Na Câmara, tenho apresentado projetos para garantir os direitos da pessoa com deficiência. Defendo mais de 24 projetos nessa área e um deles é o PL 3563/2020, que altera a Lei 13.979 para incluir o atendimento humanizado e acessível para pessoas com deficiência nas ações para enfrentamento de emergência da saúde pública decorrente da pandemia da covid-19. Também defendo o PL 2190/2019, que sugere a implantação de uma Política Nacional de “Emprego Apoiado” em parceria com órgãos governamentais.

O projeto oferece vagas no mercado de trabalho à pessoa com deficiência. A proposta traz benefícios tanto para a pessoa com deficiência quanto para as empresas. Somente em emendas, destinei 2 milhões 958 mil entre os anos de 2020 e 2022 para instituições que fazem trabalho com pessoas com deficiência. 

Dar oportunidades para todos é reconhecer que todos têm habilidades e que devem ser valorizadas e respeitadas. Envolver a sociedade civil é um desafio a ser enfrentado, pois exige uma mudança de práticas, comportamentos, padrões e valores da comunidade e das Organizações que ainda restringem a participação das pessoas com Síndrome de Down.

A causa da pessoa com deficiência sempre teve um significado muito importante para mim. É preciso de que haja o reconhecimento de que a pessoa com Down, assim como as demais, tem suas individualidades, com preferências próprias, desejos e autonomia e que ela tem inúmeras potencialidades que devem ser valorizadas. Assim haverá mais respeito a todos. Aqui, continuo abraçando a causa das pessoas com deficiência com total dedicação, engajamento e paixão.

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

 

Reportar Erro
Send this to a friend