Carlos Gomes trabalha pela instalação de usina de beneficiamento de vidro

Objetivo é incentivar a cadeia de reciclagem do material no Rio Grande do Sul, estado em que a usina deve ser instalada

Publicado em 03/09/2020 - 08:46

Brasília (DF) – O deputado federal Carlos Gomes (Republicanos-RS) solicitou, nesta quarta-feira (2), ao secretário de Qualidade Ambiental Urbana do Ministério do Meio Ambiente, André França, a liberação de R$ 3,5 milhões para possibilitar a instalação de uma usina de beneficiamento de vidro no município de Viamão, no Rio Grande do Sul. Uma das idealizadoras do projeto, a engenheira Vanessa Galvão detalhou a proposta durante reunião na sede da Pasta, em Brasília.

“Entre os principais objetivos estão, envolver cooperativas e associações de catadores no processo de reaproveitamento de um resíduo que é 100% reciclável; oferecer ao comércio, à indústria, ao Poder Público e à população um meio adequado de destinação do material, além de unificar a logística reversa da cadeia”, planeja Galvão. “Muitas vezes o vidro é deixado de fora da reciclagem devido ao baixo valor de mercado e ao alto custo com o transporte até os poucos locais em que ele é trabalhado”, explica Carlos Gomes, que preside a Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva da Reciclagem no Congresso Nacional.

O projeto

Segundo a engenheira Vanessa Galvão, passada a etapa da captação de recursos, da obtenção do licenciamento ambiental, da adequação da estrutura física e da aquisição de equipamentos, a usina estaria apta a funcionar em 120 dias.

A partir de então, ela passaria por mais três fases para estar em plena operação. Na fase um, mais de 100 entidades do setor seriam atendidas com a reciclagem de duas mil toneladas do material, com a abrangência de um raio de até 180 quilômetros de Porto Alegre, ou 161 municípios. Na segunda fase, esse raio chegaria a 360 quilômetros de distância da capital gaúcha, com um acréscimo de mais mil toneladas, contemplando até 8 milhões de gaúchos.

A terceira fase compreenderia toda a população do Rio Grande do Sul, com a previsão de 4 mil toneladas de vidro coletadas por mês e beneficiando mais de 400 entidades da área. A iniciativa também seria responsável pela diminuição da emissão de gases poluentes (CO2) e da utilização de recursos naturais, 28 mil toneladas a menos de areia anualmente. O secretário André França se comprometeu em realizar um estudo de viabilidade técnica e financeira com vistas à disponibilização da verba para a obra de execução do empreendimento.

Texto e foto: Jorge Fuente: Ascom – deputado federal Carlos Gomes

 

 

Reportar Erro