Câmara derruba veto que suspendia benefícios do Prodecer III

Cleber Verde ressaltou a relevância que o Prodecer III teve no crescimento das regiões onde foi instalado e destacou a importância dos produtores que apostaram no programa

Publicado em 06/06/2019 - 00:00

Brasília (DF) – Durante sessão do Congresso Nacional, nesta quarta-feira (5), o deputado federal Cleber Verde (PRB-MA) saiu em defesa das 40 famílias maranhenses que compõem o Programa de Cooperação Nipo-brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer III). Junto à bancada do PRB e à bancada do estado, o deputado conseguiu derrubar o Veto 38, enviado pelo Poder Executivo, que suspendia os efeitos da Medida Provisória 842/2018. A MP trata da renegociação de dívidas rurais do Prodecer III, contratados entre 1995 e 1999 por moradores de Balsas, no Maranhão.

“Há quem diga que estamos defendendo grandes empresários, mas que diz isso desconhece a realidade. Estamos aqui defendendo pequenos e médios produtores rurais e agricultores familiares. Fico feliz em ver que, mais uma vez, os deputados e senadores reconheceram a importância e a necessidade dessas famílias, que não dispõem de auxílio de políticas públicas e ainda têm que lidar com a falta de um seguro rural que garanta alguma renda”, disse o parlamentar.

Cleber Verde ressaltou a relevância que o Prodecer III teve no crescimento das regiões onde foi instalado e destacou a importância dos produtores que apostaram no programa. “Eles foram verdadeiros pioneiros, se propuseram a investir tempo e capital em lugares antes inexplorados, trazendo desenvolvimento e impulsionando a agropecuária dessas regiões”. Ele observou que, apesar de esses produtores terem enfrentado todas as dificuldades de infraestrutura, como falta de estradas e de energia elétrica, hoje têm de lidar com débitos e altas taxas de juros.

O republicano lembrou que os problemas de dívidas do Prodecer I e do Prodecer II já foram resolvidos em outras oportunidades, resolução esta que também alcançou parte do Prodecer III, relativamente ao estado do Tocantins, ficando apenas o Maranhão sem uma solução. Ele ainda acrescentou que a MP 842 já havia sido aprovada pela Câmara e pelo Senado nos anos de 2017 e 2018. “Para surpresa de todos e contrariando a Constituição Federal, o governo encaminhou uma Medida Provisória incluindo novamente esse texto cujo teor já havia sido aprovado, mas estamos aqui novamente e voltaremos quantas vezes for necessário para fazer justiça”, finalizou.

Texto: Fernanda Cunha / Ascom – Liderança do PRB
Foto: Douglas Gomes

Reportar Erro