Artes marciais: frente parlamentar debaterá desafios do setor

Praticante de artes marciais, deputado Aroldo Martins foi escolhido presidente do colegiado

Publicado em 06/07/2020 - 15:29

Brasília (DF) – A Câmara Dos Deputados instalou, no dia 26 junho, remotamente, a Frente Parlamentar Mista de Apoio às Artes Marciais. O deputado federal Aroldo Martins (Republicanos-PR) foi o indicado para presidir os trabalhos do colegiado, que tem como principal desafio debater o ensino, práticas, lutas e, principalmente, formas para popularizar e apoiar a prática, tornando-as mais acessíveis e difundidas no Brasil.

O colegiado deverá reunir mais de 200 deputados e senadores para trabalhar as questões e desafios das artes marciais, sem exceção.

Deputado Aroldo Martins – Foto: Douglas Gomes – Liderança do Republicanos

Aroldo Martins definiu o aperfeiçoamento educacional dos jovens, principalmente nas periferias das cidades, por meio das artes marciais, como um poderoso aliado para a boa formação do caráter e cultura de bons hábitos.

“Estamos falando das artes marciais como filosofia e cultura, introduzindo-as nos costumes. Entre os grandes méritos das artes marciais estão o fato de focarem nos pontos do código de honra, na disciplina, na hierarquia, no respeito ao ser humano, no autoconhecimento e no ensino para evitar confrontos e ainda, incentivar o autocontrole e cuidados pessoais para uma boa saúde. Não são atividades caras, que exigem equipamentos sociais sofisticados. Assim como o futebol caiu no gosto do brasileiro, a arte marcial, com apoio de políticas públicas, também pode ser popularizada e se tornar acessível para todos, com a vantagem de também ser agende de inclusão social, principalmente para os jovens em situação de risco e vulnerabilidade”, destacou Aroldo Martins.

Aroldo Martins, que é Grão-Mestre faixa preta 7º Dan de Taewokondo, assume a presidência da diretoria executiva da Frente Parlamentar em Apoio às Artes Marciais e como vice-presidentes, os deputados General Peternelli (SP), Coronel Tadeu (PSL-SP) e Loester Trutis (MS).

Texto: Márcia Caetano / Ascom – deputado federal Aroldo Martins
Foto destaque: ONG Rio de Paz

Reportar Erro