Aroldo Martins defende políticas públicas para o controle do tabagismo

Republicano promoveu live com especialistas para debater sobre as sequelas do fumo e as políticas mais adequadas para diminuir o seu consumo

Publicado em 03/06/2020 - 12:54

Brasília (DF) – Em discurso durante sessão remota da Câmara, o deputado federal Aroldo Martins (Republicanos-PR) alertou sobre os malefícios do tabagismo, e voltou ao tema em uma live no Instagram, neste domingo (31), Dia Mundial Sem Tabaco. 

Aroldo Martins defende políticas públicas para o controle do tabagismoDurante a live, especialistas em saúde apresentaram evidências científicas sobre os males do tabagismo e a necessidade do avanço na criação de políticas públicas de controle ao fumo. A regulamentação da indústria do tabaco, seus produtos, a situação dos pequenos produtores rurais que integram a cadeia produtiva do fumo e os problemas da fumicultura, que englobam o trabalho infantil, a intoxicação pela nicotina da folha e por agrotóxicos, também ganharam destaque no debate.

Participaram da live a dra. Tânia Cavalcante, médica e secretária-executiva da Comissão Nacional para o Controle do Tabaco do Instituto Nacional de Câncer; Mônica Andreis, psicóloga e coordenadora do programa ACT (ONG Aliança de Controle do Tabagismo); Andrea Reis Cardoso, pedagoga e chefe da Divisão de Controle do Tabagismo e Programa Nacional de Controle do Tabagismo (INC/MS); e Aureni de Souza, enfermeira coordenadora do Programa Estadual de Controle do Tabagismo do Paraná. 

Aroldo Martins, defensor da agricultura familiar, informou que pretende ampliar os debates e apresentar uma solução para o impacto que a redução do consumo de tabaco irá representar para as famílias de pequenos produtores rurais. “Além da política pública para incentivar a redução do consumo do tabaco, o Congresso Nacional também tem responsabilidade na criação de alternativas econômicas para esses produtores rurais, que têm contratos com as grandes transnacionais e só sabem trabalhar com esse produto. Esse é um problema que também precisamos assumir “, resumiu o republicano. 

Texto e foto 2: Ascom – deputado federal Aroldo Martins
Foto 1: Fotos Públicas / Foto 2: Cedida

Reportar Erro