Aline Gurgel e Cristiane Brito se reúnem em Brasília

Deputada federal Aline Gurgel (PRB-AP) apresentou para a secretária nacional de Políticas para Mulheres, a proposta da Casa da Mulher Brasileira no Amapá

Publicado em 08/07/2019 - 00:00

Brasília (DF) – A deputada federal Aline Gurgel (PRB-AP) se reuniu, no dia 27 de junho, com a secretária nacional de Políticas para Mulheres, a republicana Cristiane Brito (PRB), para apresentar a proposta da Casa da Mulher Brasileira no Amapá. O requerimento já foi cadastrado no sistema do Governo Federal e a secretária sinalizou positivamente ao envio do recurso para as obras.

Segundo a parlamentar, já existe um terreno esperando os recursos para construção da Casa. “Quando fui secretária de Mulheres do Amapá, em 2017, conseguimos com o governador Waldez Góes, a doação do terreno e todos os trâmites necessários para recebermos o equipamento. Conseguimos essa vitória, graças ao apoio da bancada feminina da Assembleia Legislativa do Amapá. Agora realmente estamos chegando na reta final, para a concretização deste sonho. Já assinamos o termo do projeto ‘Mulher, Viver sem Violência’ e agora é só aguardar. Estamos lutando”, explicou a deputada.

Cristiane Britto parabenizou a deputada federal pelo trabalho desenvolvido por ela, com as mulheres do Amapá. “Admiro a Aline, pelo trabalho com as mulheres do seu estado e pela dedicação com que vem lutando para garantir a construção da Casa da Mulher Brasileira no Amapá. Pode contar comigo e com a secretaria para a realização desse sonho”, disse a secretária.

Casa da Mulher Brasileira

O projeto da Casa da Mulher Brasileira, foi concebido para funcionar como centro agregador de ações. O equipamento tem levado esperança aos que lutam pelo fim da violência contra a mulher.

O lugar revoluciona o atendimento por integrar, num mesmo espaço, diversos serviços especializados, como delegacia e juizado; Ministério Público; Defensoria Pública; apoio psicossocial; promoção da autonomia econômica; brinquedoteca para os filhos das vítimas; alojamento de passagem; e central de transporte. Esse modelo, evita a peregrinação da mulher por várias repartições, roteiro capaz de ressuscitar a experiência psíquica do trauma. O ambiente arejado da Casa, contribui de imediato para a recuperação do bem-estar das vítimas.

Texto: Gisele Rocha / Ascom – PRB Mulher Nacional

Reportar Erro