Na trilha da boa política

Joaquim Mauro, presidente da Fundação Republicana Brasileira

Publicado em 13/08/2012 - 00:00

Durante o período pré-eleitoral, professores e professoras da Fundação Republicana Brasileira (FRB) viajaram todo o país ministrando cursos de formação política, prestação de contas, direito eleitoral e princípios de gestão pública para cidadãos, filiados e pré-candidatos do PRB e de outros partidos. Nesse Brasil continental, é claro que cada lugar tem a sua característica, cultura e um conjunto de desafios de políticas públicas próprios. Mas é possível ver algumas coisas em comum nas pessoas com as quais pudemos nos relacionar.

Em primeiro lugar, chamou atenção a fome de conhecimento das pessoas. Mesmo com jornadas extenuantes de oito horas seguidas de palestras, as salas se mantiveram cheias até o último segundo. Em quase todas as cidades encontramos pessoas que haviam se deslocado muitas horas (ou dias, como vimos em Manaus!) até chegarem ao local de curso e que viajariam muitas outras para voltarem para as suas casas.

Associada à determinação, estava sempre presente a vontade de mudar a sua realidade ou a história da sua comunidade. Essa vontade, que nasce do inconformismo com o estado das coisas, esteve inúmeras vezes presente nos discursos dos alunos que disseram estar lá por sentirem que algo estava errado, que o potencial do seu povo estava sendo mal aproveitado, que eles queriam fazer parte da solução e a que política era o melhor caminho para isso.

Era uma professora que gostaria de ver a escola ir além da sala de aula, um comerciante que acreditava que, juntamente com seus colegas, era possível empregar e ensinar uma profissão a todos os jovens da sua cidade, sem exceções, uma artista que queria construir uma biblioteca em um presídio feminino, um radialista que queria disseminar noções de direitos humanos e respeito à diversidade entre todos e tantas outras histórias sinceras. Por menor que fosse a sala de aula, por mais humilde que fosse o local de encontro, essa energia transformadora sempre estava lá, inebriante.

É certo que nem todos terão um mandato. A política é uma competição de ideais e cada qual tem a sua hora. No entanto, isso não nos incomoda nem um pouco. Pois tão ou mais importante do que termos bons candidatos, vereadores, prefeitos, deputados e até ministros, é termos bons cidadãos.

O ideal democrático prega que o bom regime nasce do seu povo, de baixo para cima. O círculo virtuoso da política se desenvolve a partir de cidadãos conscientes do seu papel na sociedade e da sua responsabilidade em deixar condições melhores para as próximas gerações. E nesse sentido, após tantas andanças, não tenho a menor dúvida que há, nesse momento, milhares de brasileiros e brasileiras trilhando o caminho certo.

Joaquim Mauro
Presidente da Fundação Republicana Brasileira – FRB

 

 

Reportar Erro