Doação de órgãos precisa ser estimulada

Artigo escrito prlo Dr. Paulo André, Sanitarista Mestre e Doutor em Saúde Pública.

Publicado em 28/04/2014 - 00:00

A doação de órgãos é um ato de amor extremo, de enorme respeito pela vida e de solidariedade. De toda a cadeia de processos que envolvem um transplante de órgãos, o componente mais importante é o doador.

Um transplante bem sucedido não salva apenas uma vida, mas também permite o resgate da saúde física e psicológica de toda a família envolvida com o paciente transplantado.

No Brasil, o sistema público de saúde (SUS), financia mais de 95% dos transplantes realizados e também subsidia todos os medicamentos imunossupressores utilizados no pós-operatório para todos os pacientes. Hoje temos o maior programa público de transplantes do mundo, fato que deve ser comemorado e valorizado por toda a sociedade brasileira. Mas ainda temos muito a melhorar neste cenário.

Nos últimos anos, no Brasil e em outros países, observou-se um aumento preocupante da desproporção entre a demanda de órgãos para transplante e o número de transplantes realizados.

É fundamental que ocorra uma grande mobilização das autoridades médicas, sociais e políticas brasileiras para que as discrepâncias entre demanda e oferta de órgãos sejam minimizadas, o que reduziria o tempo médio de espera em filas, e sobretudo reduziria a mortalidade enquanto se aguarda por um órgão novo.

O passo principal para você se tornar um doador é conversar com a sua família e deixar bem claro o seu desejo. Não é necessário deixar nada por escrito. Porém, os familiares devem se comprometer a autorizar a doação por escrito após a morte. É fundamental que consigamos incentivar a doação e levar a informação correta à população sobre Transplantes de Órgãos e Tecidos. Quanto mais a população se conscientizar da importância de se tornar um doador, menor será a angustiante fila de espera por órgãos.

paulo-andre-doe-orgaos-prb-saudeNo dia 27 de setembro comemoramos o Dia Nacional de Doação de Órgãos. Como o verde é a cor internacional dos órgãos, por iniciativa da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, tivemos em São Paulo os ”Monumentos verdes” para chamarem a atenção para a doação de órgãos e sensibilizar a população paulistana para a necessidade da doação de órgãos e tecidos.

Daí a ideia de criar o mês da Doação de Órgãos! “O Setembro Verde”, à semelhança do “Outubro Rosa” e Novembro Azul”.

Nós do PRB Saúde aderimos a campanha do “Setembro Verde”.

*Dr. Paulo André é Sanitarista Mestre e Doutor em Saúde Pública pela FSP-USP e Pós-Doutor em Educação em Saúde pela USP

Reportar Erro