Agro Fraterno amplia a rede solidária de combate à vulnerabilidade alimentar

Entidades do agronegócio lançam vertente do Brasil Fraterno que vai consolidar as ações do setor para levar cestas de alimentos a quem mais precisa

Publicado em 01/06/2021 - 17:44

Brasília (DF) – A união de esforços para superar a crise sanitária e humanitária causada pela pandemia do Covid-19 fez surgir mais um pilar da Iniciativa Brasil Fraterno, assim como já ocorre com os setores de indústria e comércio. Nesta terça-feira (1), em Luziânia (GO), o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), participou do lançamento do movimento Agro Fraterno, vertente da iniciativa do Governo Federal que leva alimentos às famílias em vulnerabilidade social afetadas pela pandemia.

A cerimônia contou também com a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e do presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, entre outras autoridades.

“O Brasil Fraterno foi potencializado aqui pelo Agro Fraterno, um dos primeiros parceiros dessa iniciativa. A sinergia é fruto de uma conversa minha com a ministra Tereza Cristina e que foi abraçada pelo presidente da CNA, João Martins, por meio das federações e do sistema que representa o agronegócio no Brasil. Às vezes você pode pensar que os seus gestos podem ser ínfimos, dentro de uma avassaladora quantidade de donativos que estamos angariando. Porém, lembre-se de que o seu gesto é fundamental. Pense naquela família que está sendo agraciada com aquela mobilização de que você participou”, destacou o ministro João Roma.

Com articulação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Agro Fraterno é um movimento liderado pelo Sistema CNA/Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e pelas entidades do Instituto Pensar Agro (IPA).

A ação é voltada para a participação voluntária de produtores, empresas e entidades ligadas ao setor agrícola. As doações são livres e podem ser feitas com cestas de alimentos, com recursos ou com alimentos, conforme a opção dos doadores. As cestas arrecadadas serão distribuídas segundo a demanda de cada município.

A Iniciativa Brasil Fraterno, rede de solidariedade criada em março pelo Ministério da Cidadania, conta também com a parceria do Sistema S e da iniciativa privada, formando outro braço da iniciativa, o Brasil Fraterno Indústria, para levar alimentos, em caráter emergencial, à população carente.

Campo e cidades

O Agro Fraterno arrecadou inicialmente 5 mil cestas de alimentos. Segundo a ministra Tereza Cristina, a meta é passar de 1 milhão de cestas distribuídas. “Cada um colaborando, vamos diminuir o sofrimento dessas pessoas que passam fome em um país tão rico como o nosso, o celeiro do mundo. É o campo gerando emprego e renda, mas também ajudando a população das cidades neste momento tão difícil por que passa o nosso país”, declarou.

O ministro João Roma acrescentou que o Brasil está precisando de pessoas que somem por meio de ações solidárias e, assim, contribuam com aqueles que estão em situação de vulnerabilidade social por conta da pandemia.

“Este é o momento em que o mundo inteiro enfrenta a pandemia. Todos estamos sofrendo, mas sabemos que existem brasileiros e brasileiras que estão sofrendo muito mais. São pessoas em situação de vulnerabilidade, impedidos de ganhar o sustento de sua família. Encontram-se em desespero, sem nada na geladeira. Este é o momento da união de várias facetas do nosso país. A capacidade de solidariedade de cada um tem que aflorar, e temos que saber materializar o sentimento que está no coração de cada um”, disse João Roma.

“Da mesma forma que o agro orgulha o nosso Brasil, pela sua força, virtude, potencial tecnológico e produtividade, nós precisamos estender as mãos para buscar aquela população em situação de vulnerabilidade para experimentar também a riqueza do nosso Brasil. Para encontrar no estado não apenas uma teia de proteção naquele momento de dificuldade que ela está suportando, mas que ofereça todas as ferramentas para o homem e a mulher avançar de classe social, encontrar melhor qualidade de vida”, prosseguiu o ministro.

“O compromisso do governo Jair Bolsonaro é com a população, e nós, dos ministérios da Cidadania e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, seguiremos juntos, abraçando e cumprindo a missão de levar mais dignidade ao povo brasileiro”, concluiu João Roma.

Participaram também do evento a primeira-dama de Goiás, Gracinha Caiado, o prefeito de Luziânia, Diego Sorgatto, o deputado federal José Mário Schreiner, representando a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), e o presidente da Conab, Guilherme Ribeiro.

Texto: Diretoria de Comunicação – Ministério da Cidadania
Fotos: Júlio Dutra/Ministério da Cidadania
Edição: Agência Republicana de comunicação – ARCO 

Reportar Erro
Send this to a friend