Crivella entrega mais 242 crachás do programa Ambulante Legal

Documento com QR Code é distribuído para ambulantes que atuam nos bairros de Copacabana, Leme, Méier, Calçadão de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz

Publicado em 30/04/2019 - 00:00

Rio de Janeiro (RJ) – O prefeito Marcelo Crivella (PRB) entregou nesta segunda-feira (29), mais 242 crachás de identificação do Programa Ambulante Legal. Desde que o projeto foi lançado, em agosto de 2018, a prefeitura já recadastrou sete mil ambulantes e distribuiu 1.168 novos documentos com QR Code, reforçando o combate ao comércio irregular.

“Esse crachá é a qualificação de um novo horizonte. A energia que vocês têm para ficar de segunda a sexta-feira, às vezes no final de semana, sob chuva, sol, poeira, tentando vender alguma coisa para sobreviver, se bem canalizada, essa energia pode vislumbrar um futuro extraordinário. A história mostra que vários grandes empresários começaram como ambulantes”, disse Crivella, que fez questão de entregar o cartão pessoalmente a cada um dos ambulantes, durante o evento no Palácio da Cidade, em Botafogo.

Preocupado com a crise financeira que atingiu o município nos últimos anos e provocou a perda de 350 mil vagas de emprego, o prefeito tem dado atenção especial à categoria. Já foram distribuídas 600 novas licenças para ambulantes.

Irenita Candido Gonçalves, de 47 anos, é uma das pessoas contempladas. Ela conta que a barraca de roupas infantis, no Centro de Campo Grande, sempre foi a principal fonte de renda da sua família. “Falei pro meu filho que agora estou empregada. Sinto muito orgulho porque foi com o dinheiro de camelô que consegui pagar a faculdade dele. Agora, poderei trabalhar com mais tranquilidade, sem me preocupar em ter que correr quando a fiscalização aparecer”, disse a ambulante.

Mauricio Antonio de Souza, de 65 anos, também estava feliz por receber o novo crachá. Ambulante na Praia de Copacabana desde 2007, ele elogiou a iniciativa da Prefeitura de fazer o recadastramento. “Tenho observado uma atenção maior do município sobre a categoria, que antes era marginalizada. O ambulante deve ser estimulado a sempre se regularizar, porque só assim terá tranquilidade para trabalhar”, disse.

O documento de identificação dos ambulantes dispõe de QR Code, código de barras bidimensional de resposta rápida que permite não só à fiscalização, mas também a população acessar informações como o nome, o número de inscrição, e as mercadorias que o ambulante está autorizado a comercializar. Além disso, por meio da tecnologia, também é possível verificar o local em que aquele ambulante pode atuar na cidade.

Os documentos foram entregues aos titulares de licenças para comércio ambulante que atuam nos bairros de Copacabana, Leme, Méier, Calçadão de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz. Também participaram do evento Carlos Guerra, representante da Secretaria de Fazenda, o secretário de Ordem Pública, Paulo Cesar Amêndola e a inspetora da Guarda Municipal, Tatiana Mendes.

O Ambulante Legal pretende organizar e facilitar a identificação dos ambulantes autorizados a trabalhar nos logradouros públicos, propondo, inclusive, a implantação de políticas públicas de qualificação profissional aos trabalhadores.

O programa já alcançou sete bairros da cidade. Além de Copacabana, Leme, Méier, Feira do Calçadão de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz, a política de ordenamento urbano também foi implantada na região de Madureira.

Texto: Ascom – Prefeitura do Rio de Janeiro
Fotos: Marcos de Paula

Reportar Erro