Crivella comemora resultados de três semanas de mutirão de cirurgias

Com 174 operações, meta foi superada em 39,2%. No total, já foram feitas 174 operações, desde que o prefeito Marcelo Crivella deu início ao mutirão

Publicado em 21/01/2019 - 00:00

Rio de Janeiro (RJ) – Pelo terceiro fim de semana consecutivo, a meta de procedimentos realizados no mutirão de cirurgias ortopédicas foi superada. Só neste fim de semana, foram realizadas 66 cirurgias – a meta era de 50. No total, já foram feitas 174 operações, desde que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), deu início ao mutirão.

Na primeira etapa, eram previstos 25 procedimentos e foram realizados 41. Na segunda, também eram esperadas 50 cirurgias e foram feitas 67.

“O mutirão é resultado dos bravos servidores da saúde, que são comprometidos com a prestação de um bom serviço à população do Rio. Em três semanas, conseguimos operar 174 pessoas. Superamos a meta em quase 40%. E vamos continuar com os mutirões ao longo das próximas semanas”, comemorou Crivella.

Para a secretária municipal de Saúde, Beatriz Busch, a força dos servidores realmente tem feito a diferença no mutirão. “Esse mutirão tem superado nossas expectativas. O prefeito Marcelo Crivella tem priorizado a saúde, e esse mutirão mostra que temos profissionais de excelência e uma rede forte com grande capacidade de resposta. Todos esses pacientes recebendo alta hospitalar, voltando para suas famílias, e assim poderemos beneficiar muitos outros que precisam desses leitos”, afirmou Beatriz Busch.

O mutirão é realizado nos seguintes hospitais municipais: Salgado Filho, Miguel Couto, Souza Aguiar, Lourenço Jorge, Evandro Freire, Pedro II, Albert Schweitzer e Rocha Faria. As fraturas abordadas durante a ação são as fechadas e de extremidades (pernas/pés e braços/mãos). Pacientes com esses quadros normalmente passam alguns períodos internados. Por não serem casos de urgência, muitas vezes eles têm a cirurgia desmarcada, devido à chegada de um trauma grave, que precisa ser levado imediatamente à sala de operação, sob risco de morte da vítima.

Nesta época do ano, o número de pacientes que buscam os hospitais com fraturas aumenta de 15% a 20%, por causa do aumento de acidentes. Com isso, casos eletivos, aqueles menos graves e que não precisam ser operados de emergência, acabam aguardando um pouco mais pelo procedimento, já que a prioridade será sempre para os casos graves e com risco de morte do paciente.

A grande quantidade de pessoas à espera de cirurgia é reflexo da crise financeira que ocorre no Estado. O Rio perdeu uma grande quantidade de vagas de emprego, e muitos trabalhadores ficaram sem plano de saúde, passando a recorrer à rede municipal de Saúde. Também é comum pessoas de municípios vizinhos, especialmente da Baixada Fluminense, buscarem atendimento na rede da Prefeitura, que continuará de portas abertas para a população.

Texto e foto: Ascom – Prefeitura do Rio de Janeiro

Reportar Erro