Trabalhadoras domésticas devem ter direitos garantidos durante pandemia

Estudo revela aumento da situação de vulnerabilidade das trabalhadoras domésticas

Publicado em 12/06/2020 - 14:30

Brasília (DF) – No Brasil, as trabalhadoras domésticas representam atualmente cerca de 6 milhões de mulheres. Durante esse momento de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), grande parte dessas profissionais têm se esbarrado em várias dificuldades para serem liberadas e, na maioria das vezes, são coagidas pelos patrões com a ameaça de serem demitidas.

Estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com a ONU Mulheres apresenta diagnóstico sobre a situação de vulnerabilidade e risco de contágio da Covid-19 enfrentada pela categoria. De acordo com a pesquisa, 70% das profissionais não possuem carteira de trabalho assinada. A precariedade das relações trabalhistas e o tipo de trabalho desempenhado pelas domésticas, em contato direto com outras pessoas e seus objetos, representam os principais fatores que expõem as profissionais à doença.

A Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad) tem desenvolvido uma série de estratégias para proteger essas trabalhadoras, que na maioria dos casos são chefes de família e sustentam sozinhas suas casas. 

O primeiro óbito por coronavírus registrado no país foi de uma trabalhadora doméstica, que foi infectada pelos patrões que tinham viajado para o exterior. Como forma de prevenção, autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) pede que o distanciamento social seja praticado. 

Auxílio emergencial 

Trabalhadoras domésticas devem ter direitos garantidos durante pandemia
Deputada Federal Rosangela Gomes (Republicanos-RJ). Foto: Douglas Gomes / Ascom – Liderança do Republicanos

O Republicanos votou a favor do projeto que garante à mulher chefe de família o direito exclusivo de receber o auxílio emergencial de R$ 1, 2 mil. A medida que abraça grande parte da categoria serve para suprir a necessidade de muitas mulheres, como explica a secretária nacional do Mulheres Republicanas, deputada federal Rosangela Gomes (Republicanos-RJ). “Muitas pessoas precisavam sair de suas casa para ganhar o pão de cada dia. Com a medida, elas vão receber uma verdadeira ajuda. Vale frisar que o apoio às mães é mais do que necessário, visto que na maioria das casas brasileiras somente as mulheres são a fonte de renda”, esclareceu a republicana.

Texto: Gabbriela Veras / Ascom – Mulheres Republicanas Nacional, com informações da ONU Mulheres 
Foto destaque: Reprodução Mulheres Republicanas

 

 

Reportar Erro