Prêmio Maria Felipa homenageia 12 mulheres negras em Salvador (BA)

Prêmio vai acontecer no próximo sábado (25)

Publicado em 22/07/2020 - 13:12

Salvador (BA) – Com mais de 10 anos de existência, o Prêmio Maria Felipa da Câmara Municipal de Salvador, atualmente concedido pela vereadora Ireuda Silva (Republicanos), ocorrerá de forma on-line neste ano de 2020 devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O evento já foi gravado pela TV Câmara, no dia 19 e será exibido no próximo sábado (25), às 16 horas, quando comemora-se o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha.

“Como é de costume, nossa vontade era promover um evento digno da importância do tema e dessas verdadeiras guerreiras que estamos homenageando. Entretanto, com a pandemia, nossa alternativa foi realizar a cerimônia on-line. Isso nos deixa tristes, mas não podíamos interromper a tradição. Além disso, celebrar a luta contra o racismo também é uma forma de resistência e de manter a voz ativa. Não podíamos nos render ao silêncio”, diz Ireuda, que é presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e vice-presidente do colegiado de Reparação.

A ideia da honraria é homenagear mulheres negras que se destacam na luta contra o racismo, por mais espaços e direitos. Neste ano, 12 nomes integram a lista de premiadas: Ana Amélia (médica oncologista); Ashley Malia (jornalista); Flávia Barreto (major da PM, Ronda Maria da Penha); Carolina Santana (guarda municipal); Juliana Galvão (psicóloga); Luana Assis (jornalista); Noemia Araújo (liderança comunitária); Charlene da Silva Borges (defensora pública federal); Jeane Cordeiro de Oliveira (empresária); inspetora Amado (Guarda Municipal); Carol Barreto (estilista); Ana Teles (empreendedora) e Maria das Graças ( Marisqueira).

No ano passado, em sua edição de 10 anos, o Prêmio Maria Felipa foi realizado no Centro de Cultura da Câmara de Salvador e teve recorde de público. Na ocasião, foram premiados nomes como Maria Angela, diretora da Netflix Brasil; a atriz e produtora Maria Gal; Cristiane Brito, da Guarda Municipal de Salvador e Rita Brito, coordenadora do movimento Novas Felipas.

“A Bahia e o Brasil ainda sofrem com a discriminação racial, que segrega e mutila direitos fundamentais. Nesse contexto tão cruel e que ainda guarda resquícios da escravidão, as mulheres negras são duplamente vitimadas, já que o preconceito tem natureza racial e de gênero”, disse a republicana. “Deste modo, penso que este dia e este prêmio são o mínimo que podemos fazer para reafirmar o nosso posicionamento, mostrar que nós, mulheres negras, estamos aqui, que somos peças fundamentais da história do Brasil e da Bahia. E que lutamos constantemente para melhorar a realidade de nós todas”, completa a vereadora.

A premiação também será transmitida por meio das redes sociais da legisladora. 

Texto e foto: Ascom – vereadora Ireuda Silva

Reportar Erro