Brasil fica entre os piores no quesito participação da mulher na política

O país atingiu a marca entre os piores da América Latina

Publicado em 26/09/2020 - 08:15

Brasília (DF) – Com o início da campanha eleitoral para as eleições municipais de 2020, a Organização das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil fica entre os piores países da América Latina sobre a participação feminina na política. A ONU Mulheres analisou 40 indicadores, categorizados em oito temas, e, a partir desses dados, calcularam o Índice de Paridade Política (IPP). Esse índice varia de 0 a 100 e atribui valores mais altos aos mais bem avaliados.

O levantamento da ONU faz parte do projeto Atenea, mecanismo criado para tentar acelerar a participação política das mulheres em países da América Latina e do Caribe. A maior nota do Brasil é no item “exercício do direito ao sufrágio”, com 80 pontos. A menor nota do país é no item “cotas e paridades”, com 13,3 pontos. Os pontos variam de 0 a 100.

A deputada federal Rosangela Gomes (Republicanos-RJ) não comemora os números apresentados pela ONU, mas afirma que a Eleição 2020 pode surpreender pela representatividade feminina. “Lutamos por paridade, sempre afirmei que seria difícil essa questão, mas continuo acreditando que vamos surpreender nestas eleições”, ressalta a secretária nacional do Mulheres Republicanas. Ela também aponta que as mulheres precisam ter coragem para entrar na política e mostrar a sua força. “Somos capazes de mudar o cenário político do país. As mulheres precisam acreditar mais em si próprias”, completou.

Prazo de registro de candidatura

Neste sábado (26), encerra-se o prazo para registro de candidaturas para quem deseja concorrer aos cargos de prefeito e vereador na Eleições 2020. A campanha eleitoral começa amanhã (27) e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, informou que a Justiça Eleitoral deve receber cerca de 630 mil pedidos de registro de candidatura em todo o país. Isso significa o número de candidatos que devem concorrer nas Eleições 2020.

O Ministro revelou, pelo site do TSE, que o DivulgaCandContas, o sistema que controla o registro, já recebeu cerca de 280 mil cadastros.

O TSE ressalta que de acordo com os números, a pandemia não desanimou a participação dos candidatos. “Isso demonstra o desejo de participação democrática da população brasileira, mesmo com os cuidados que se impõem”.

Texto: Gisele Rocha / Ascom – Mulheres Republicanas
Ilustração: divulgação

Reportar Erro