Idosos: trabalhar ou não tem que ser decisão deles

Artigo escrito por Ossesio Silva, deputado federal pelo Republicanos Pernambuco e secretário nacional do Idosos Republicanos

Publicado em 04/11/2021 - 08:00

Manter-se ativo é um dilema a ser vencido numa sociedade em que envelhecer está relacionado à incapacidade, à doença e a outras qualidades pejorativas que desvalorizam a pessoa idosa.

Acredita-se que uma das formas para se assegurar um envelhecimento ativo e de qualidade é proporcionar ao idoso a oportunidade de trabalho e a manutenção do emprego daqueles que ainda querem continuar trabalhando.

A aposentadoria é o momento em que o indivíduo se distancia da vida produtiva, um direito daqueles que tanto contribuíram para a construção de nossa sociedade. Porém, muitos idosos decidem continuar contribuindo ativamente com o mercado de trabalho, compartilhando suas experiências e seus conhecimentos adquiridos ao longo da vida.

Embora envelhecer propicie acesso a um dos direitos fundamental, que é a aposentadoria, não pode suprimir o direito ao trabalho que está previsto no Estatuto do Idoso.

Quando olhamos para o serviço público, pode-se constatar diversos exemplos de idosos que vivem sem se deixar limitar pela idade. Conseguimos identificá-los na corte máxima do Judiciário, nos demais Tribunais Superiores, no Congresso Nacional, na Presidência da República, nos vários poderes dos estados e municípios. Ao voltarmos nossos olhos para a área privada, enxergamos inúmeros idosos que continuam inseridos no mercado de trabalho formal ou informal. Eles continuam contribuindo com o fortalecimento da economia brasileira e muitas vezes são arrimos de suas famílias. Temos ainda, aqueles que participam voluntariamente de Conselhos Municipais e Estaduais e, até mesmo, de Associações e Instituições Filantrópicas agregando experiências e compartilhando conhecimentos preciosos que consolidam as ações desenvolvidas por esses órgãos e entidades.

Mas para a transformação social que almejamos, é necessário que pautemos e defendamos continuamente políticas publicas para aqueles que querem continuar vivendo de forma ativa, produtiva e participativa em todas as esferas da economia.

Por isso, faz-se necessário, uma ação conjunta do Governo, das empresas e da sociedade em geral para que haja maior efetividade às normas constitucionais e, em especial, ao Estatuto do Idoso que assegura a população idosa o direito à participação e reintegração no setor produtivo e na vida social do país.

 

Artigo escrito por Ossesio Silva, deputado federal pelo Republicanos Pernambuco e secretário nacional do Idosos Republicanos

 

Reportar Erro
Send this to a friend