Marcos Jorge apresenta projeto do ZEE para indígenas em Roraima

Republicano participa da 48º Assembleia Geral do Povos Indígenas de Roraima

Publicado em 15/03/2019 - 00:00

Normandia (RR) – O secretário de Planejamento e Desenvolvimento de Roraima (RR), Marcos Jorge (PRB), participou, nesta terça-feira (12), da abertura da 48º Assembleia Geral do Povos Indígenas de Roraima. Com o tema “União, Vigilância e Resistência na Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas”, o evento está sendo promovido pelo Conselho Indígena de Roraima (CIR) e acontece até esta sexta-feira (15), no Centro Regional Lago do Caracaranã, no município de Normandia.

Marcos Jorge apresenta projeto do ZEE para indígenas em Roraima

Durante o encontro, o republicano apresentou aos indígenas o projeto do Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE), um estudo técnico que vai subsidiar o governo na implantação de políticas públicas de ordenamento do território, ajudando a traçar políticas e definir as regras para agricultura e o agronegócio.

“Viemos apresentar o que é o Zoneamento Ecológico Econômico, além da importância desse instrumento para o desenvolvimento econômico social das comunidades indígenas, da sociedade de Roraima como um todo, e os ganhos sociais que esse instrumento trará, uma vez que estaremos ordenando o que produzir e onde produzir, trabalhar em qual seja a atividade econômica do estado e potencializar isso”, destacou Marcos Jorge.

Estudos do ZEE

Na área ambiental, a partir dos estudos técnicos do ZEE realizados por especialistas, será possível, por exemplo, analisar a superfície do Estado e determinar onde poderá ser feita a intervenção humana e de qual tipo ela será em determinada localidade, com a finalidade de prevenir possíveis crimes ambientais e consequências ecológicas desastrosas.

Para se concluir o ZEE, são necessárias três etapas: o mapeamento da área, seguido pela interpretação dos mapas temáticos feito por técnicos com experiência em zoneamento, resultando na terceira etapa, que une os mapas ao texto e deriva numa peça técnica com o objetivo de nortear o desenvolvimento sustentado na região.

“É fundamental que possamos concluir esse estudo, para que tenhamos como fazer o desenvolvimento do principal potencial do Estado que é a agroindústria, que é a produção agrícola, não só para trazer riquezas para a população, mas também para que o poder público possa continuar prestando o serviço de maneira adequada. Esse é o compromisso do nosso governador, zonear Roraima e transformar o nosso Estado num grande produtor”, enfatizou o secretário.

O coordenador técnico do ZEE, Francisco dos Santos, frisou que o zoneamento é uma ferramenta de gestão estratégica e que a participação das comunidades indígenas na elaboração é de fundamental importância, tendo em vista que mais de 40% do território roraimense é formado por terras indígenas. “As comunidades indígenas precisam ficar bem esclarecidas sobre o que trata exatamente o ZEE e para que serve, por isso é essencial que estejamos em diálogo e discussão sobre o tema, para que ao final do processo tenhamos um resultado que estabeleça um consenso”, disse.

Além de lideranças indígenas e representantes de todas as comunidades de várias etnias do estado de Roraima, também estiveram presentes na Assembleia representantes do Ministério Público do Estado de Roraima, da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de Roraima, Exército Brasileiro e do Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena da Universidade Federal de Roraima.

Texto: Folha BV
Edição: Agência PRB Nacional
Fotos: Cedida

Reportar Erro