Deputado denuncia problemas no Hospital Correia Picanço

Segundo o deputado estadual William Brigido (Republicanos-PE), a unidade está funcionando há um ano sem ar condicionado

Publicado em 18/09/2019 - 00:00

Recife (PE) – Imaginem um ambulatório que realiza três mil atendimentos e uma urgência que atende 500 pacientes por mês, funcionando há um ano sem ar condicionado. Parece mentira, mas não é. A denúncia grave envolve o Hospital Correia Picanço, referência no tratamento de doenças infectocontagiosas em Pernambuco.

“Os pacientes daquele hospital, familiares, além de todo o sofrimento que precisam enfrentar diante de uma doença grave, são obrigados a correr o risco de contrair novas enfermidades”, lamentou o deputado estadual William Brigido (Republicanos-PE).

O descaso na saúde pública do estado foi o assunto do pronunciamento do parlamentar nesta terça-feira (17), na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Segundo ele, circulam diariamente no ambulatório, profissionais médicos, enfermeiros, auxiliares e servidores administrativos. “As janelas ficam abertas e as portas são escoradas por cadeiras, para tentar permitir a circulação do ar”, revelou William Brigido.

Segundo o deputado, no ano passado, o hospital enfrentou o mesmo problema na UTI, o que obrigou o Ministério Público a transferir pacientes. “É obrigatório ter ar-condicionado. A climatização é colocada para evitar contaminações e o agravamento de quadro”, disse.

“Hoje o Hospital Correia Picanço precisa de 13 aparelhos de ar condicionados, com um custo médio de R$ 17 mil, que pode representar a prevenção de inúmeros casos de tuberculose e meningite. É inadmissível que uma unidade de saúde, que é referência, submeta os seus funcionários, pacientes e familiares a tamanho risco e sofrimento”, concluiu William Brigido.

Texto: Carlos Gambôa / Ascom – deputado estadual William Brigido
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)
Foto: José Fernando

Reportar Erro