Partido limpo

Somos o único partido da base aliada do governo Dilma que não se envolveu em escândalos.

Publicado em 17/11/2014 - 00:00

Na última sexta-feira (14), o jornal Valor Econômico publicou uma reportagem sobre o crescimento do PRB nestas eleições, quando saltamos de oito para 21 deputados federais, e de 19 para 33 estaduais.

Você poder ler na íntegra aqui.

Recebi a editora de política do jornal no meu escritório. Conversamos por quase duas horas. Ela quis saber os “segredos do partido que mais cresceu no Brasil”. Com a transparência de sempre, contei detalhes do nosso projeto.

De tudo que foi dito e escrito, fiquei feliz pelo reconhecimento da própria jornalista de que o PRB foi o único partido aliado da presidente Dilma Rousseff que não se meteu em escândalo algum.

Reproduzo aqui o trecho em questão: “Dos aliados que a presidente Dilma Rousseff herdou do seu antecessor, o PRB foi o único a escapar das listas do mensalão e daquelas que até agora já apareceram nas delações da Petrobras.”

Jamais nos envolvemos com qualquer tipo de maracutaia. Não é da nossa índole. Mas fica o alerta: aqueles que eventualmente forem descobertos praticando atos ilícitos serão exemplarmente punidos. Não haverá acordo. Terão o direito de ampla defesa e do contraditório, como preconiza o direito processual brasileiro e internacional, mas em se comprovando o envolvimento, serão severamente punidos em acordo com o estatuto do partido que poderá ser até a exclusão dos quadros de filiados.

Faço minhas as palavras do senador Marcelo Crivella durante debate na televisão na disputa pelo governo do Rio de Janeiro: “Não roubar, não deixar roubar e punir quem roubar”. Essa é a conduta republicana. Assim pensa o PRB!

Boa semana a todos.

Marcos Pereira

Presidente Nacional do PRB

Reportar Erro