Plataforma de séries e filmes é criada para orientar sobre violência doméstica

O serviço oferece filmes e séries que tratam sobre os tipos de agressão e o empoderamento feminino

Publicado em 13/09/2020 - 18:44

Brasília (DF) – O consumo dos serviços de streamings tem aumentado cada vez mais, principalmente durante a pandemia do coronavírus, quando as pessoas tendem a ficar mais dentro de casa. Unindo esse aumento ao aniversário de 14 anos da Lei Maria da Penha, uma plataforma de séries e filmes foi criada para orientar sobre tipos de violência contra a mulher.

O 180Play – um novo jeito de ver séries, filmes e novelas, traz no cardápio produções brasileiras e internacionais que tratam também sobre o empoderamento feminino. A secretária nacional do Mulheres Republicanas, deputada federal Rosangela Gomes, comenta a importância do projeto e fala sobre a necessidade de aproveitamento das mais diversas oportunidades que possam coibir o aumento de casos de violência doméstica.

“Atualmente temos diversos meios que chegam até as pessoas de forma eficaz e direta. É necessário que coloquemos sim todas as informações necessárias sobre a Lei Maria da Penha em todos os locais possíveis. A informação salva vidas e aquele tema, assunto e abordagem pode chegar a mulheres que sofrem com as violências física, psicológica, moral, patrimonial e sexual”, esclareceu.

Os criadores do Play 180 informam que o nome faz alusão ao número da Central de Atendimento à Mulher, ainda afirmaram que o trabalho busca apontar com didatismo diversos tipos de agressão contra a mulher e, assim, alertar a todos sobre a importância da denúncia contra os agressores. Além disso, todos os cuidados necessários foram tomados com o intuito de garantir os direitos autorais e de personalidade. Incluindo também a classificação indicativa dos conteúdos.

A iniciativa conta com o importante apoio institucional da ONU Mulheres. “A violência contra as mulheres e meninas é uma grave violação dos direitos humanos das mulheres e nos chama a inovar para exemplificar as suas distintas formas de manifestação e enfrentamento. As artes – e aqui, especificamente, o audiovisual – são uma importante ferramenta para promover a sensibilização e engajamento de um público mais abrangente sobre o tema”, diz Anastasia Divinskaya, representante da ONU Mulheres Brasil.

Texto: Gabbriela Veras | Ascom Mulheres Republicanas, com informações do Instituto Maria da Penha
Foto: reprodução

Reportar Erro