Projeto proíbe distribuidora de obrigar a adotar relógio de luz digital

Projeto proíbe distribuidora de obrigar a adotar relógio de luz digital

Autor da proposta, deputado Silas Câmara propõe que empresas sempre proporcionem aos clientes a opção de escolha entre medidores tradicionais e eletrônicos

Publicado em 27/01/2020 - 00:00

Brasília (DF) – O Projeto de Lei nº 5715/19 proíbe que as companhias de distribuição de energia elétrica imponham aos consumidores a implantação de medidor de luz digital. A proposta tramita na Câmara dos Deputados.

Pelo texto, as empresas sempre terão que proporcionar aos clientes a opção de escolha entre medidores tradicionais e eletrônicos. O projeto é de autoria do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM), que é contrário à imposição de um único modelo.

A proposta também inclui duas novas competências para os conselhos de consumidores: serão responsáveis por verificar a autenticidade dos medidores de luz, mecânicos ou digitais; e por verificar os reajustes e a qualidade dos serviços oferecidos pelas distribuidoras.

Criados pela Lei 8.631/93, os conselhos de consumidores são formados por representantes das principais classes de consumidores (residencial, rural, poder público, comercial e industrial), com a incumbência de opinar sobre assuntos relacionados à prestação do serviço público de energia elétrica.

Tramitação

O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Defesa do Consumidor; de Minas e Energia; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Texto: Agência Câmara dos Deputados
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)

 

Reportar Erro