Maria Rosas participa de inauguração da Casa da Mulher Brasileira em SP

Maria Rosas participa de inauguração da Casa da Mulher Brasileira em SP

Espaço funcionará 24 horas por dia, com serviços integrais e também terá um ponto de atendimento da Central de Intermediação em Libras para atender às vítimas surdas

Publicado em 12/11/2019 - 00:00

São Paulo (SP) –  A deputada federal Maria Rosas (Republicanos-SP) participou, na segunda-feira (11), da inauguração da Casa da Mulher Brasileira (CMB), em São Paulo. Na ocasião, estiveram a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, o governador do Estado de São Paulo, João Doria, parlamentares e secretários de governo.

“Trata-se de um espaço de acolhimento e humanizado que visa, sobretudo, garantir o fortalecimento e autonomia. É o resultado da união de forças entre o poder público, a sociedade civil e a iniciativa privada para o enfrentamento da violência doméstica”, disse Maria Rosas.

As mulheres que em situação de violência que procurarem a CBM encontrarão serviços de acolhimento e escuta qualificada por meio de uma equipe multidisciplinar, Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) com ações de prevenção, proteção e investigação dos crimes de violência doméstica; Ministério Público, com atuação na ação penal dos crimes de violência; Defensoria Pública, com orientação sobre direitos e assistência jurídica; Tribunal de Justiça, responsável pelos processos, julgamentos e execução das causas.

“A violência doméstica vem crescendo exponencialmente ao longo do tempo e, muitas vezes, é negligenciada pela própria vítima ou pela sociedade. Precisamos mudar essa realidade por meio de mais políticas de conscientização. A Casa da Mulher Brasileira é uma grande conquista e dará todo o apoio às paulistanas, no entanto, ainda precisamos levar às escolas um ensino que fale sobre a igualdade, sobre o que é a violência e suas consequências e promover institucionalização de boas práticas. Podemos ter as melhores políticas públicas, mas se elas não incorporarem uma perspectiva de prevenção, não vamos resolver o problema”, adverte.

O espaço funcionará 24 horas por dia, com serviços integrais e também terá um ponto de atendimento da Central de Intermediação em Libras para atender às vítimas surdas.

Números da violência no Brasil

Nos últimos 12 meses, 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil, enquanto 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico. Os dados são de um levantamento do Datafolha encomendada no início deste ano pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) para avaliar o impacto da violência contra as mulheres no país.

Texto e fotos: Ascom – deputada federal maria Rosas 
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)

Reportar Erro