Maria Rosas defende achatamento da curva como condição para retorno às aulas

Maria Rosas defende achatamento da curva como condição para retorno às aulas

Para a deputada, nenhum retorno escolar pode ser pensado sem considerar o aumento de casos da Covid-19

Publicado em 30/06/2020 - 09:21

Brasília (DF) – Já se passaram cerca de três meses desde o início do isolamento social no Brasil e a volta às aulas nas redes de ensino ainda é tema de debate entre o Legislativo, Executivo, entidades e organização civil.

Para a deputada federal Maria Rosas (Republicanos-SP), nenhum retorno escolar pode ser pensado sem considerar o aumento do número de casos no novo coronavírus (Covid-19). “Enquanto isso não acontece, precisamos cuidar das famílias”, disse.

Em São Paulo, segundo a Secretaria de Educação, as aulas presenciais só voltam quando todo o estado chegar na fase amarela (quando a maior parte do estado atingir 80%), o que deve acontecer perto do mês de setembro. Só então, será anunciada a liberação para retorno das escolas, o que deverá ocorrer cerca de 20 dias depois de manutenção desta fase. As escolas deverão usar esse período para se preparar para a reabertura.

“Também é importante considerar durante a fase amarela as situações cotidianas, como transporte escolar, merenda, atividades físicas, higienização dos espaços, cuidados com as crianças pequenas e como o distanciamento de 1,5 metro entre os estudantes funcionarão na prática”, advertiu a deputada.

A parlamentar também aponta que “o desafio agora é evitar a evasão escolar, já que muitas crianças não têm acesso às aulas online. Para a republicana, um retorno seguro significa “achatar a curva, estabelecer um protocolo seguro e adotar as medidas necessárias para evitar mais contágio”, conclui.

Saiba mais

Segundo o plano de governo, o retorno das aulas presenciais será para rede pública e privada e em todas as etapas escolares, de creches até o ensino médio. Serão três as etapas de retomada: A primeira, com 35% dos alunos, a segunda, com 70%, e a terceira, com 100% dos alunos.

A prioridade é retomar as aulas das crianças que estão nos ciclos finais do ensino infantil, do ensino fundamental e do ensino médio, por causa da facilidade de cumprir as medidas sanitárias de distanciamento e também porque elas estão em fase de transição desses ciclos de aprendizagem e a recuperação de ano seria mais difícil.

Texto: Ascom – deputada federal Maria Rosas
Foto destaque: Douglas Gomes / Ascom – Liderança Republicanos

Reportar Erro