Comitiva discute acesso de táxis e vans ao Porto de Ilhéus

José de Arimateia reuniu-se com o presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia para debater o assunto

Publicado em 22/11/2019 - 00:00

Salvador (BA) – Com o objetivo de buscar soluções para o impasse envolvendo o translado dos passageiros de cruzeiros marítimos no Porto de Ilhéus, uma comitiva composta pelo prefeito Mário Alexandre, o presidente da Câmara Municipal, César Porto, vereadores e membros do Sindicato dos Taxistas de Ilhéus compareceu à sede da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) para uma reunião com o presidente Alexandre Ávila.

O encontro foi solicitado ao órgão pelo deputado federal Márcio Marinho e presidente do Republicanos Bahia, que tomou conhecimento da situação. “O vereador Ivo Evangelista pediu a minha intervenção junto ao órgão para que uma reunião pudesse ser marcada com urgência para tratar do assunto”, explicou.

Durante 30 anos, taxistas, motoristas de vans e locadoras tiveram livre acesso à área de desembarque dos passageiros para efetuar o translado. Mas, no mês passado, a Codeba expediu um documento estabelecendo que não seria mais permitido o acesso de veículos que não fossem vinculados às operações portuárias em curso.

Uma medida que segundo o vereador Ivo Evangelista (Republicanos) trouxe impactos negativos. “Com essa nova norma, os passageiros terão que percorrer 1 km e meio para terem acesso ao receptivo externo”, explicou.

O deputado estadual José de Arimateia (Republicanos-BA) representou Marinho na reunião e solicitou a flexibilização na decisão para que os trabalhadores possam continuar exercendo a atividade, já que no próximo sábado o receptivo turístico no Porto deve aumentar devido a temporada de navios, quando a estimativa é receber 20 escalas de transatlânticos, com aproximadamente 70 mil visitantes e 14 mil tripulantes, entre novembro de 2019 e abril de 2020.

Um documento oficial foi entregue ao órgão, que ficou de analisar e expedir um parecer na próxima semana.

Texto e fotos: Ascom – deputado federal Márcio Marinho

Reportar Erro