Comissão aprova projeto que favorece atletas com deficiência auditiva

Com a relatoria da deputada Maria Rosas, proposta inclui o esporte surdolímpico entre as principais modalidades de benefícios esportivos

Publicado em 30/06/2021 - 10:04

Brasília (DF) – A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência aprovou, nesta terça-feira (29), o Projeto de Lei nº 330, de 2020. A matéria pretende incluir o esporte de surdos entre os olímpicos e paraolímpicos, bem como sua entidade nacional – a Confederação Brasileira de Desportos de Surdos (CBDS) ao “Comitê Olímpico Brasileiro (COB) ” e ao “Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) ”.

O texto também inclui o esporte surdolímpico entre as principais modalidades de benefícios esportivos (bolsa-atleta). O projeto é de relatoria da deputada federal Maria Rosas (Republicanos – SP).

“O objetivo é dar tratamento de igualdade nas diversas modalidades esportivas de inclusão das pessoas com deficiência. Atualmente, atletas surdos não participam das Paralimpíadas – disputado uma competição especial – e também não recebem incentivos, como bolsa-atleta”, explica a parlamentar. O Bolsa-Atleta é um programa do governo federal, mantido desde 2005, e visa garantir rendimentos a atletas de alto rendimento em modalidades olímpicas e paralímpicas.

De acordo com estudo feito em conjunto pelo Instituto Locomotiva e a Semana da Acessibilidade Surda, há no Brasil, 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva. Desse total, 2,3 milhões têm deficiência severa. A surdez atinge 54% de homens e 46% de mulheres. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) existem 500 milhões de surdos no mundo e, até 2050, haverá pelo menos 1 bilhão em todo o globo.

Texto: Ascom – deputada federal Maria Rosas
Foto: Douglas Gomes – Liderança do Republicanos

Reportar Erro
Send this to a friend