Audiência debate participação de transgêneros no esporte

Iniciativa do deputado federal Julio Cesar Ribeiro (PRB-DF), audiência pública contou com a participação da jogadora de vôlei Tifanny Abreu e da ex-jogadora Ana Paula Henkel

Publicado em 26/06/2019 - 00:00

Brasília (DF) – Com as presenças da jogadora de vôlei Tifanny Abreu e da ex-jogadora Ana Paula Henkel, a Comissão do Esporte na Câmara dos Deputados realizou na tarde de ontem (25), audiência pública para debater a situação da participação de transgêneros no esporte. De iniciativa do deputado federal Julio Cesar Ribeiro (PRB-DF), o evento foi complementar à audiência realizada no dia 5 de junho.

O advogado esportivo e especialista em doping, Marcelo Franklin, defendeu a proteção do esporte feminino e entrou no mérito da questão fisiológica ao mencionar o desempenho esportivo entre homens e mulheres. “Muito do que está sendo debatido hoje, não diz respeito à tentativa de segregação. Existe também a tentativa de proteção ao esporte feminino. Não há interesse de ninguém em barrar a categoria trans do esporte, mas também há que se verificar uma maneira de colocar os atletas trans no mesmo nível do feminino”, declarou.

A ex-atleta de vôlei, Ana Paula Henkel, criticou a diretriz do COI que determina a participação de atletas transexuais em competições e pediu um estudo mais aprofundado sobre o assunto. “Quando o COI libera uma diretriz sem grandes estudos, isso tem um efeito cascata”, afirmou. Atualmente o Comitê Olímpico Internacional se baseia em um estudo de Joanna Harper, que diz que mulheres podem tem até 10nmol/L testosterona para disputar competições femininas.

Emocionada, a jogadora Tifanny Abreu falou sobre as dificuldades que ela enfrenta desde a adolescência e relatou as consequências dos treinos intensos. “Nunca usei nenhum tipo de droga, sempre fui muito fiel ao meu trabalho. Sei o que eu posso e o que eu não posso. Preciso de três dias de recuperação, porque eu vou dormir e acordo com cãibra”, alegou. “Não estou tomando espaço de ninguém, estou no meu espaço que é meu por direito”, disse.

Autor do requerimento, Julio Cesar referenciou a sua militância no esporte e destacou o aumento de casos como o da jogadora Tifanny no esporte amador. “Eu milito no esporte desde 2012 e eu tenho sido procurado por várias atletas que vem reclamando de situações semelhantes ao caso da Tiffany. Claro que não no profissional, mas no amador isso tem crescido de uma forma grande e eu tenho relatos de pessoas que têm medo e preocupação”, relatou.

“Existem pessoas que têm se sentido preteridas ou prejudicadas nesta modalidade esportiva. Nós temos que debater e vamos percorrer isso a fundo até porque a gente busca a igualdade”, completou o republicano, ao falar do projeto de sua autoria que estabelece o sexo biológico como único critério para definição do gênero em competições esportivas oficiais no território brasileiro.

A audiência contou ainda com a presença do deputado federal e presidente da Comissão do Esporte, Fábio Mitidieri; deputado estadual Altair Moraes (PRB-SP); ativista de direitos humanos, Leonardo Luiz da Cruz Lina; farmacêutica sanitarista e mestre em Saúde Coletiva na área de farmacoepidemiologia, doutoranda em Medicina (Endocrinologia Clínica) pela Escola Paulista de Medicina da UNIFESP, Alícia Krüger; farmacêutico, pai e técnico da atleta transexual Maria Joaquina Cavalcanti, Gustavo Uchoa Cavalcanti; médico e professor da disciplina de Endocrinologia e do Coordenador do Ambulatório do Núcleo de Assistência Multiprofissional à Pessoa Trans da Unifesp, Magnus Regios Dias da Silva.

Texto: Ascom – deputado federal Julio Cesar
Fotos: Regina Duvirgem

Reportar Erro