Alberto Neto alerta que coronavírus pode comprometer importações da China

Republicano defende criação de um GT, envolvendo o setor público e privado, para estudar os efeitos da epidemia sobre a produção industrial em Manaus

Publicado em 19/02/2020 - 00:00

Brasília (DF) – Devido ao surto de coronavírus que atinge a China, o deputado federal Capitão Alberto Neto (Republicanos-AM) sugeriu que seja criado um grupo de trabalho, envolvendo o setor público e privado, destinado a estudar os efeitos da epidemia sobre a produção industrial em Manaus.

O mercado chinês é um dos grandes fornecedores de componentes e insumos para a Zona Franca de Manaus. Por isso, o parlamentar e todo setor industrial amazonense teme que a epidemia possa ocasionar o desabastecimento das fábricas do Polo Industrial de Manaus.

Em 2019, o estado do Amazonas importou US$ 10,163 bilhões, sendo o quinto maior importador. Somente da China foram US$ 3,791 bilhões, o que correspondeu a 37,3% do total. O setor eletroeletrônico se destaca, que é responsável por 50% do faturamento do PIM.

Especialistas acreditam que o fornecimento de matéria-prima pode ser comprometido não apenas para o Amazonas, mas para todo mercado nacional. A falta de insumos pode, inclusive, encarecer os produtos finais.

“Além de estudar a possibilidade real de que as empresas instaladas na ZFM podem ficar sem insumos suficientes para manterem suas produções, o grupo de trabalho criará propostas para prevenir e evitar que o problema possa prejudicar a economia do Amazonas”, disse.

Texto: Ascom – deputado federal Capitão Alberto Neto
Foto: Douglas Gomes

Reportar Erro