A violência política contra a mulher

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

Publicado em 14/02/2022 - 14:19

No início deste mês, a imprensa noticiou mais um  caso de violência política contra mulheres. Desta vez, na Câmara de Aparecida de Goiânia. 

A cada 13 dias, o Brasil registra pelo menos um caso de violência contra representantes de cargos eletivos, candidatos ou pré-candidatos. Os dados são do relatório “Violência Política e Eleitoral no Brasil”, que traz um panorama dessas ocorrências no país. O levantamento foi elaborado pelas organizações não-governamentais Terra de Direitos e Justiça Global.

A violência política contra a mulher se tornou crime no ano passado. A Lei 14.192/21 diz que “será punida qualquer ação que impeça ou restrinja os direitos das mulheres nos partidos e movimentos sociais, durante a campanha eleitoral ou ao longo do mandato”.

Para lidar com esse cenário é preciso compreender que a regulação de cotas não é suficiente para alterar aspectos institucionais e estruturais, que permitam que as mulheres ocupem efetivamente espaços públicos. Por isso, é necessário identificar mecanismos de exclusão mais profundos e, dentre esses, a violência merece especial atenção. Na Câmara dos Deputados trabalhamos em prol de projetos que tratem sobre o assunto e que criem mecanismos para coibir a discriminação política contra a mulher.

O apoio das leis é fundamental e, somado a isso, precisamos fomentar mais engajamento feminino. Quanto mais as mulheres participarem como eleitoras, candidatas, líderes e ocupando cargos públicos, mais teremos força na política e, assim, seremos menos vítimas de violência em todos os âmbitos.

Artigo escrito por Maria Rosas, deputada federal pelo Republicanos São Paulo

 

Reportar Erro
Send this to a friend