Acompanhados, vamos mais longe

A renovação na política

Nós do PRB entendemos que o dever do político é trabalhar arduamente nesta direção, por um Brasil em que a nova política prevaleça

Publicado em 20/02/2017 - 00:00

Olá, republicanos!

Ao analisar o processo político do Brasil, temos que admitir que, apesar de tantos aspectos negativos, reflexos da crise ética e moral, não há como negar a mudança de postura, principalmente em relação à estagnação do quadro político no país, que há décadas não passava por uma oxigenação.

Para insatisfação de muitos e o bem-estar da população, o cenário está mudando e o PRB faz parte deste momento com muita honra. Sabemos que não é fácil e que tal status desagrada ao sistema dominante, que tem interesse na velha política. Crescemos e estamos avançando, temos no partido, o prefeito do Estado do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, presidente nacional licenciado, e tantos outros prefeitos, deputados, vereadores, representantes do PRB que como eu, senador da República, com honradez desempenham o seu papel.

Cansados de tanta sujeira envolvendo os seus representantes, em todo o país, o eleitor começa a fazer escolhas diferenciadas. No Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, houve uma reciclagem no quadro político, a radiografia política mudou. As pessoas não votaram nos burocráticos, nos que aparecem no período de campanha com promessas e apertos de mão, mas deram seu voto de confiança ao gestor, ao homem de comunidade, ao que deseja desbravar e almeja mudanças.

As pessoas começam a entender que o processo político e democrático vigente está esgotado, precisa de novas alternativas. Os candidatos da última eleição tiveram uma responsabilidade grande, foram às ruas olhar nos olhos do eleitor e pedir voto. Quem não tinha do que se envergonhar, não estava envolvido na lama podre da politicagem, levou vantagem.

No Rio, apenas 11 municípios do estado conseguiram manter o comando político concentrado no grupo que os representa, 81 municípios tiveram renovação. Somente os candidatos a prefeito que tinham um trabalho definido e um histórico político sem máculas, sem ter do que se envergonharem conseguiram retornar.

O povo deu oportunidade a pessoas muito jovens para representá-las. Muitos prefeitos eleitos, sem experiência política, nem vereadores foram, mas sinalizam a vontade popular de mudança no quadro da velha política. Tal constatação não foi exclusividade do Rio de Janeiro, em todo país, observou-se a mudança no perfil de muitos prefeitos e vereadores em várias siglas.

Dados da coordenação nacional do PRB Juventude  mostram que foram eleitos, pelo PRB, 125 vereadores, quatro prefeitos e cinco vice-prefeitos com até 29 anos de idade em todo o Brasil – faixa etária definida pelo Estatuto da Juventude.

O estado de maior destaque é Minas Gerais, com 30 jovens eleitos, seguido por São Paulo com 17; Maranhão tem 16; Rio Grande do Norte aparece com 10 republicanos eleitos e Bahia, Paraná e Tocantins, com seis representantes cada para as câmaras municipais.

O que a população espera destes novos políticos é empenho, foco e o desejo profundo por mudanças. A máxima da nova política é ética, transparência e responsabilidade, e nós do PRB entendemos que o dever do político é trabalhar arduamente nesta direção, por um Brasil em que a nova política prevaleça.

Estejamos juntos e atentos, afinal, a política sempre será o lugar ideal para todos que desejam mudanças. Avante!

Senador Eduardo Lopes
Presidente Nacional do PRB (Interino)

Reportar Erro