Marcos Jorge defende potencial das relações comerciais e econômicas com o Irã

Marcos Jorge defende potencial das relações comerciais e econômicas com o Irã

Ministro participou de seminário sobre o tema, promovido pela CNI e Apex-Brasil. Evento ocorre durante visita do chanceler iraniano, Mohammad Zarif, ao Brasil

Brasília (DF) – O ministro da indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge (PRB), participou da abertura do Seminário de Relações Econômicas e Comerciais Brasil-Irã, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Apex-Brasil. Na sequência, integrou comitiva brasileira que recebeu o chanceler do Irã, Mohammad Zarif, ao lado do ministro das Relações Exteriores brasileiro, Aloysio Nunes, no Palácio do Itamaraty.

“Podemos desenvolver projetos conjuntos, com benefícios mútuos, em segmentos como máquinas e equipamentos, petróleo e gás, mineração, petroquímica, aviação, autopeças, entre tantos outros”, disse Marcos Jorge, em discurso voltado aos empresários brasileiros e à delegação da República Islâmica do Irã, na CNI.

Segundo as estatísticas brasileiras, compiladas no MDIC, o intercâmbio de bens totalizou, em 2017, US$ 2,6 bilhões. A avaliação, no entanto, é de que as trocas comerciais seguem trajetória de ascensão. “Nosso intercâmbio comercial ainda é modesto, mas aponta para grande potencial de crescimento”, ponderou o ministro brasileiro.

Potencial

Marcos Jorge lembrou, ainda, que foi criado na Camex um grupo técnico específico para identificação de meios para tratar da relação econômica bilateral. O objetivo de avançar em relação aos entraves às relações comerciais com o Irã, como as restrições bancário-financeiras.

“O governo tem mantido contatos com os bancos comerciais brasileiros, assim como acompanhado o estabelecimento de relações bancárias do Irã com outros países, com vistas a informar os bancos brasileiros da evolução da situação iraniana”, relatou. “Trata-se, naturalmente, de um trabalho de engajamento contínuo e sereno, com vistas a fomentar um ambiente de confiança mútua, em um contexto de crescentes tensões comerciais e adversidades que se observa no cenário global”, completou.

Em 2017, as exportações brasileiras para o Irã atingiram U$S 2,56 bilhões, e as importações provenientes do Irã alcançaram US$ 40 milhões. Assim, houve superávit de US$ 2,51 bilhões para o Brasil – ou seja, o intercâmbio bilateral é quase que integralmente composto pelas exportações brasileiras.

De 2014 a 2017, as exportações brasileiras para o Irã cresceram 178%, saltando de US$ 1,43 bilhões para o atual patamar de US$ 2,6 bilhões, estabelecendo novo recorde histórico, superando o montante de US$ 2,33 bilhões registrados em 2011.

Os principais produtos da pauta exportadora são: milho em grãos (60,9%), soja (16%), carne de bovino (13%). Já as importações se concentraram, principalmente, em: uvas (25%), borracha (16%) e pistache (10%).

Texto e foto: Ascom – MDIC

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O Republicanos está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@republicanos10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Rosangela Gomes (Republicanos-RJ):

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Republicanos

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal Republicanos?

pautas@republicanos10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

Receba as novidades do PRB no seu e-mail

Boletim 10: enviado às segundas-feiras. Não enviamos spam.