Lei amplia proteção às mães vítimas de violência doméstica

A nova lei dá prioridade para que as mães, vitimas de violência doméstica, possam matricular os filhos em uma nova escola

Publicado em 10/10/2019 - 00:00

Lei amplia proteção às mães vítimas de violência doméstica
A nova lei dá prioridade para que as mães, vitimas de violência doméstica, possam matricular os filhos em uma nova escola

Brasília (DF) – A deputada federal Maria Rosas (Republicanos-SP), participou do ato que sancionou a Lei 13.882 DE 2019, que prioriza vagas em centros de educação infantil para filhos de mulheres que sofreram violência doméstica. O presidente Jair Bolsonaro sancionou, nesta terça-feira (8), o texto altera a Lei Maria da Penha e tem relatoria da republicana.

“A lei busca priorizar, assim como na assistência à mulher vítima de agressão, o atendimento aos dependentes dela nas escolas. A medida é mais uma ferramenta de proteção da vítima e das crianças e jovens sob sua responsabilidade”, avalia Maria Rosas.

A deputada explica quem em muitos casos, as mulheres precisam mudar de residência e, seus dependentes acabam encontrando dificuldades para dar continuidade no ano letivo. “Por isso, a proposta garante a matrícula dos dependentes da mulher vítima de violência doméstica e familiar em instituição de educação básica mais próxima de seu domicílio”, destaca.

Para assegurar o atendimento, é necessário apresentar documentação que comprove registro de ocorrência policial ou de existência de processo em curso. “Entretanto, a medida visa o sigilo sobre os dados dos envolvidos, inclusive sobre a documentação, acessível somente aos operadores de direito e os órgãos competentes do Poder Público”, reforça a deputada.

O projeto foi aprovado na forma de um substitutivo da deputada Flávia Arruda. Autora do texto inicial em 2017, a deputada Geovania de Sá previa a prioridade na educação infantil (creches e pré-escolas) e, durante a tramitação, o texto passou a incluir também os ensinos fundamental e médio.

Números da violência doméstica no Brasil

Segundo dados de levantamento do Datafolha feito este ano, encomendada pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) para avaliar o impacto da violência contra as mulheres no Brasil, entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico. Após sofrer uma violência, mais da metade das mulheres (52%) não denunciou o agressor ou procurou ajuda. Nos últimos 12 meses, 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil, enquanto 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio.

Texto e fotos: Ascom – Deputada federal Maria Rosas (SP)
Edição: Agência Republicana de Comunicação (Arco)

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal Republicanos? É muito simples. A Agência Republicana de Comunicação (Arco) disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@republicanos10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

Reportar Erro