Fábio Freitas fala sobre os desafios do setor tributário no Pará

Fábio Freitas fala sobre os desafios do setor tributário no Pará

Em entrevista à Arco, deputado falou sobre a atuação da Comissão de Estudos da Modernização Tributária da Assembleia Legislativa do Pará

O entrevistado da semana é o deputado estadual Fábio Freitas, do Republicanos Pará. Presidente da Comissão de Estudos da Modernização Tributária da Assembleia Legislativa do Pará, Freitas destaca que o maior desafio no estado passa pela geração de emprego e renda para os mais de 4,5 milhões de paraenses que vivem com apenas R$ 500 mensal. A simplificação do sistema tributário também é uma luta travada pelo republicano.

Em entrevista à Agência Republicana de Comunicação (Arco), Fábio Freitas falou sobre os andamentos dos trabalhos do colegiado e as propostas em tramitação para destravar a economia no estado.

ENTREVISTA

Fábio Freitas fala sobre os desafios do setor tributário no ParáArco – Deputado, por que a necessidade de simplificar o sistema tributário do Pará?
Fábio Freitas – A tributação no Estado do Pará precisa ser simplificada, pois o nosso estado é grande em termos de extensão. Para se ter uma ideia, de Belém à Marabá são 500 km. De Belém à Parauapebas são 920 km. De Belém à Santarém são 1570 km. O empresário precisa de um sistema menos burocrático, e no Republicanos defendemos essa proposta, a desburocratização. Como presidente da Comissão de Modernização Tributária da Assembleia Legislativa do Pará, estamos ouvindo cada setor, frente, federação, representantes do comércio, agronegócio e do setor produtivo, além dos prestadores de serviço. E a questão da desburocratização é um ponto defendido por todas essas frentes.

Arco – Quais os maiores gargalos e desafios do setor?
Fábio Freitas – Um gargalo que enfrentamos hoje no Pará chama-se Declaração de Informações Econômico-Fiscais, o DIEF, um sistema instituído pela Secretaria de Fazenda do Pará. Não sabemos ao certo para que serve e o motivo pela qual a Sefaz vem cobrando, mas ele tem prejudicado o setor formal, uma vez que não faz fiscalização para aqueles informais. É preciso uma fiscalização mais severa em cima disso. O maior entrave que o setor industrial enfrenta no Pará é a burocratização em relação a emissão e cancelamento de notas fiscais. Precisamos que os órgãos competentes ajudem esse setor a se desenvolver.

Arco – Caso o sistema tributário seja simplificado, qual impacto disso na vida dos paraenses?
Fábio Freitas – Prestadores de serviços pagam de sua alíquota 8%. Se existir esse negócio do Imposto de Bens e Serviços (IBS) vai aumentar para 25%. Não dá para aceitar isso. O Pará tem como carro-chefe o setor da mineração como exportador, mas infelizmente não pagam devido a Lei Kandir os impostos para importação. A verdade é que o Pará tem sido o almoxarifado do Brasil, as empresas exploram e usam as nossas riquezas. E não é apenas no setor de mineração, temos cacau, ouro, manganês e outras riquezas. O Pará é um estado rico, mas essa riqueza não chega à população e o nosso maior desafio é gerar emprego e renda. Para se ter uma ideia, 48% da população vive abaixo da linha da pobreza, enquanto no Brasil esse patamar é de 25%. O que isso quer dizer? Dos 8,5 milhões de habitantes do Pará, quase 4,5 milhões vivem com R$ 500. Somos um estado rico com o povo pobre. Até quando a Lei Kandir vai levar as nossas riquezas e fazer com que o nosso estado fique um buraco? Isso é inaceitável.

Fábio Freitas fala sobre os desafios do setor tributário no ParáArco – O senhor é presidente da Comissão de Estudos da Modernização Tributária no Estado do Pará. Como tem sido a atuação do colegiado e quais os desafios?
Fábio Freitas – Já estamos nas oitivas. A comissão tem movimentado, ouvido cada setor conforme pontuado anteriormente. Estivemos com representantes da Federação da Indústria, da Federação do Agronegócio, da Associação Comercial Paraense, da Federação dos Comerciários do Pará e tantos outros. Estamos andando, ouvindo as pessoas, sindicatos, federações, associações e pessoas que trabalham no setor produtivo. Nosso estado tem em torno de 3,5 milhões de empregos. O comércio representa quase 50% do total das vagas. Em média, 1,5 milhão de empregos diretos são voltados para os prestadores de serviços. Então, nosso maior desafio aqui é gerar emprego e renda, pois esse é o nosso maior problema aqui. Se a gente desburocratizar, incentivar, levar para o governo do estado que é preciso subsidiar isso, que é preciso incentivar aquilo, taxar aquilo outro, para gerar emprego e renda tenho certeza que isso pode ser colocado em prática. Precisamos aumentar nossos números para melhor e não regredir.

Arco – Quando será apresentado o plano de trabalho do colegiado? Já existem propostas definidas?
Fábio Freitas – Começamos em junho deste ano, ou seja,  120 dias de trabalho da comissão e vamos pedir prorrogação por mais 120 dias. O relatório deve sair em meados de abril de 2020. Agora, o colegiado vai começar a promover audiências públicas. Vamos para Marabá, para o oeste do Pará, que é a pérola do Tapajós lá em Santarém, vamos em Paragominas, que é um polo produtivo e um setor industrial muito forte na questão do agronegócio, e de lá vamos para Rondon. O trabalho do colegiado teve início em Belém, mas agora vamos levar as audiências públicas para o interior do estado.

Arco – Acredita que a reforma do sistema tributário é uma prioridade para o desenvolvimento do estado?
Fábio Freitas – Com certeza, a reforma do sistema tributário ela tem que ajudar. Porém, a PEC 45 e a PEC 110 não dizem de forma clara como essa reforma deve ser executada, ela diz que a PEC deve ser implantada, mas há falta de um planejamento. Existiu aqui no nosso estado a comissão federal, da Câmara dos Deputados, porém os dois textos não preveem a forma de planejamento para que esse sistema seja colocado em prática. Dei minha contribuição falando como deve ser feito, e acredito que o melhor caminho seja por etapas, seja feita aos poucos, em estados menores, para ver se a proposta de fato vai dar certo.

Por Agência Republicana de Comunicação
Colaborou: Patrick Silveira / Ascom – deputado estadual Fábio Freitas
Fotos: Cedidas

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal Republicanos? É muito simples. A Agência Republicana de Comunicação (Arco) disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@republicanos10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

LEIA TODAS AS ENTREVISTAS DA SEMANA
REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O Republicanos está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@republicanos10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Rosangela Gomes (Republicanos-RJ):

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Republicanos

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal Republicanos?

pautas@republicanos10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

Receba as novidades do PRB no seu e-mail

Boletim 10: enviado às segundas-feiras. Não enviamos spam.