Projeto levará atendimento às mulheres vítimas de violência em Salvador

Projeto levará atendimento às mulheres vítimas de violência em Salvador

Iniciativa foi lançada na sexta-feira (29/11), pela secretária de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude de Salvador, Rogéria Santos

Publicado em 02/12/2019 - 00:00

Salvador (BA) – A secretária municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), Rogéria Santos (Republicanos), lançou em Salvador, na sexta-feira (29/11), o CRAM em Movimento. Uma iniciativa que tem o objetivo de implementar o atendimento às mulheres vítimas de violência nas sedes das Prefeituras-Bairro do município, a fim de oferecer informações sobre os serviços prestados pelos Centros de Referência de Atendimento à Mulher (CRAMs), na cidade.

O projeto cumpre o previsto no planejamento estratégico da Prefeitura de Salvador para o quadriênio 2017/2020, promovendo o direito ao atendimento digno, realizado por uma equipe multiprofissional. Proporcionando às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar a liberdade de procurar ajuda no rompimento ao ciclo da violência em que se encontram.

O lançamento aconteceu na sede da SPMJ, localizada no Edifício Cidade do Salvador, no bairro do Comércio, com a presença dos subprefeitos, responsáveis pelas dez unidades das Prefeituras-Bairro de Salvador.

“Estamos levando os serviços que são realizados nos CRAMs para dentro das comunidades onde essas mulheres estão inseridas e vamos iniciar pelos bairros com maiores índices de violência, apontados por meio de análise dos dados das Delegacias da Mulher na nossa cidade”, esclarece a secretária da SPMJ, Rogéria Santos.

A ação integra os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, uma campanha internacional que visa sensibilizar e compartilhar conhecimento e inovação no que se refere a prevenir e eliminar a violência contra mulheres e meninas, visando levar e multiplicar informações sobre as diversas formas de violência contra mulher.

Texto: Isabel Tavares
Fotos: Monalisa Pereira e Tiago Oliveira
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)

Reportar Erro