Lei de Manoel Neves cria campanha contra a pedofilia em Boa Vista

Campanha contra a pedofilia visa conscientizar as instituições sobre a importância da denúncia

Publicado em 07/10/2019 - 00:00

Boa Vista (RR) – A prevenção e a conscientização sempre são fundamentais para atacar os caso de pedofilia que muitas vezes precisam apenas de um alerta. E é exatamente por isso que inúmeras organizações da sociedade civil e instituições públicas e privadas investem em campanhas que buscam esclarecer a população e reunir o maior número de pessoas engajadas em determinadas causas.

O caso de pedofilia, por exemplo, que ano passado contabilizou mais de 76 mil denúncias feitas ao Disque 100 em todo o país envolvendo crianças e adolescentes foram, é um desses temas. Em Boa Vista já existe instituída por lei para a realização de campanha de combate a essa prática. A Lei Municipal nº 1.702/2016 instituiu a primeira semana de outubro para desenvolvimento de atividades na capital que possam combater e prevenir a pedofilia em todas as suas formas.

O autor do projeto de lei, vereador Manoel Neves (Republicanos), destaca que deve ser constante e permanente o combate a esse crime, pois “qualquer tipo de violência, abuso ou exploração sexual cometidos contra criança e adolescente atingem todos os seus direitos”. “O crime de pedofilia desrespeita os direitos da criança à saúde, uma vez que a sua integridade física é atingida; à vida; à dignidade; ao respeito e à liberdade. A criança vítima de pedofilia sofre ataque em sua autoestima, se torna depressiva e apresenta sequelas por toda a vida”, ressalta.

Para ele, a conscientização de todos e a denúncia são fundamentais para se efetivar a proteção da criança e do adolescente contra os abusos. O parlamentar acredita que o estímulo à discussão sobre o tema e fornecer informações para prevenir a pedofilia ajudam a sociedade compreender que todos são responsáveis pela proteção da criança contra esses crimes. “Toda a população deve participar da prevenção e do enfrentamento a essa violência sexual, seja a praticada na forma de abuso familiar ou não, pornografia infantojuvenil, prostituição, turismo sexual ou assédio malicioso. O objetivo é combater a cultura do silêncio e da negligência”, convocou.

Texto e fotos: Ascom – vereador Manoel Neves
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)

Reportar Erro