Ireuda Silva quer homens mobilizados pelo fim da violência contra a mulher

Ireuda Silva quer homens mobilizados pelo fim da violência contra a mulher

“A mobilização dos homens pelo fim da violência contra a mulher é uma obrigação moral”, defende a vereadora Ireuda Silva

Publicado em 06/12/2019 - 00:00

Salvador (BA) – A presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher na Câmara de Salvador, a vereadora Ireuda Silva (Republicanos), acredita que o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres, nesta sexta-feira (06), é crucial para lembrar que não apenas a parcela feminina da sociedade deve estar engajada na luta contra esse problema que gera milhões de vítimas todos os anos.

A data foi instituída no Brasil após decreto de 20 de julho de 2007, como referência a um episódio que abalou o mundo. Em 6 de dezembro de 1989, um jovem canadense de 25 anos entrou em uma sala de aula da Escola Politécnica de Montreal, no Canadá, e matou 14 mulheres, que segundo ele não deveriam cursar Engenharia, uma “profissão masculina”. Após o atentado, o atirador se suicidou.

Revoltados com o fato, um grupo de homens canadenses criou, à época, a Campanha do Laço Branco, com o objetivo de promover a igualdade de gênero e alertar para as consequências do machismo.

“A mobilização dos homens pelo fim da violência contra a mulher é uma obrigação moral. Só nós, mulheres, é que sabemos a dor que é viver em um mundo onde o preconceito mata milhares de nós todos os anos, nos exclui e tenta nos aprisionar em jaulas de anulação e submissão. Quem diz que é ‘mimimi’ é porque é insensível e egoísta, que não faz o menor esforço para sair da bolha de privilégios em que está e olhar para o sofrimento alheio com um pouco de solidariedade”, disse Ireuda.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registra, a cada quatro minutos, pelo menos uma agressão a mulher. Em 2018, foram registrados mais de 145 mil casos de violência, incluindo física, psicológica e sexual. Esse número não inclui o número de assassinatos. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), foram contabilizados 4.936 casos de feminicídio no país em 2018.

“Devemos lembrar sempre que o número pode ser maior, já que muitos assassinatos de mulheres não são registrados como feminicídio. Ainda existe uma resistência de certas autoridades em relação a isso — em entender que existe uma diferença muito grande quando uma mulher é assassinada por motivações de gênero. Quantos homens são assassinados por terem nascido homens?”, questiona a republicana.

Texto: Ascom – vereadora Ireuda Silva
Foto: Leone Serafim
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)

Reportar Erro