Ireuda Silva propõe criação do “Apito Salvador”

O objetivo do Apito Salvador é coibir e alertar para casos de violência contra a mulher

Publicado em 22/08/2019 - 00:00

Salvador (BA) – A presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher na Câmara Municipal de Salvador, vereadora Ireuda Silva (Republicanos), solicitou ao prefeito ACM Neto a criação do “Apito Salvador” para coibir e alertar para casos de violência. A ideia do “apitaço” surgiu na Colômbia e já é adotada em estados brasileiros como Tocantins, Goiás e Pernambuco.

“O mecanismo é simples: se uma mulher sofrer qualquer tipo de violência, dá o sinal com um apito, que tende a alertar as pessoas em volta e inibir a ação do agressor. Depois da medida, houve reduções significativas no número de espancamentos, mortes e até ameaças em Recife, por exemplo. É uma medida simples, que pode parecer fútil, mas que cumpre um importante papel: mobilizar o entorno da vítima”, disse a republicana.

Ireuda Silva apontou, ainda que, a cada 15 segundos, uma mulher é agredida no Brasil. Além disso, no início do ano, o Governo da Bahia divulgou que a média mensal de casos de violência contra o sexo feminino cresceu 24% em um ano. “É claro que um apito não é suficiente. É preciso que se invista no básico, que a mulher tenha independência financeira, mais espaço no mercado de trabalho, penas mais duras e eficazes para os agressores, além de uma série de mudanças em nossa cultura ainda muito machista”, pontuou a vereadora.

Texto e foto: Ascom / vereadora Ireuda Silva

Reportar Erro