Crivella lança mutirão de cirurgia para correção de orelhas em crianças e adolescentes

Este é o quinto evento do tipo. São mais de 28 mil pacientes atendidos

Publicado em 16/03/2019 - 00:00

Rio de Janeiro (RJ) – O prefeito Marcelo Crivella (PRB) lançou na sexta-feira (15), na Rocinha, o quinto mutirão de cirurgia de sua gestão. É o “Orelhinha Bonitinha”, que irá fazer otoplastia em crianças e adolescentes (intervenção estética para corrigir o que popularmente é chamado de “orelhas de abano”). Ele também anunciou a retomada neste sábado (16), do terceiro mutirão, que realiza cirurgias ortopédicas e já beneficiou mais de 500 pessoas. Nos quatro mutirões cirúrgicos anteriores, mais de 28 mil pacientes foram operados. Isso significa que, em quase 27 meses de governo, mais de mil pessoas passaram por procedimentos a cada mês.

“Esse mutirão da ‘Orelhinha Bonitinha’ é muito importante para acabar com o bullying, muitas crianças nas escolas sofrem disso. Nós vamos fazer cirurgia em milhares de crianças, devemos passar de 20 mil. Mas é tudo com muito controle, nossas cirurgiães plásticas tem domínio absoluto da técnica e temos tudo preparado. É uma cirurgia em que a criança toma anestesia local, uma pequena sedação, vai embora no mesmo dia para casa e tem que usar uma touquinha durante cinco dias. Mas vai ficar livre do bullying, que poderia deixar cicatrizes na época mais bonita da sua infância. Tenho certeza que as cirurgias vão trazer um grande benefício para a cidade”, disse Crivella.

Com a retomada das cirurgias ortopédicas e o início das otoplastias, a prefeitura terá, pela primeira vez na cidade, dois mutirões cirúrgicos ao mesmo tempo.

As cirurgias do mutirão de otoplastia ocorrerão a partir de 30 de março, em quatro hospitais do SUS, sendo três da rede própria municipal – Jesus, em Vila Isabel; Nossa Senhora do Loreto, na Ilha do Governador; e Barata Ribeiro, na Mangueira – e um universitário, o Gaffré e Guinle, na Tijuca. A meta é realizar 30 cirurgias aos sábados e atender todos os pacientes que aguardam o procedimento no Sistema de Regulação (Sisreg) do município do Rio.

Pessoas ainda não inscritas no Sisreg, mas com indicação para a cirurgia, devem procurar a sua unidade de Atenção Primária de referência (clínica da família ou centro municipal de saúde) para avaliação e inserção no sistema. É importante esclarecer que a cirurgia só deve ser feita em pacientes a partir dos 7 anos de idade, quando as orelhas já estão completamente formadas. A cirurgia é um procedimento simples, que dura em torno de uma hora e o tempo de internação é de 24 horas em média.

Cirurgias ortopédicas

O mutirão de cirurgias ortopédicas, que aconteceu em oito etapas entre 6 de janeiro e 24 de fevereiro deste ano, será retomado neste sábado. Como nas fases anteriores, em que foram operadas 549 pessoas com casos eletivos, a ação acontecerá sempre aos sábados e domingos e será realizada por equipes extras ao plantão, sem interferência nas cirurgias de emergência, que continuarão acontecendo normalmente.

A novidade nesta retomada do mutirão de cirurgias ortopédicas é que a meta – que era de 50 procedimentos por fim de semana e foi superada em todas as etapas – será ampliada para 72. Nas oito fases realizadas entre janeiro e fevereiro, a meta global foi batida em 46,4%: foram 174 operações a mais do que as 375 previstas.

Primeiro mutirão agiliza filas internas

O primeiro mutirão aconteceu logo no início da gestão, para agilizar as filas cirúrgicas internas dos hospitais. Entre o fim de janeiro e março de 2017, foram 488 procedimentos, sempre nos fins de semana.

Corujão carioca

Outra ação foi o Corujão Carioca, com cirurgias eletivas realizadas no terceiro turno e nos fins de semana. Realizado de março a novembro de 2018, totalizou 8.018 cirurgias de hérnia, oftalmológicas, vasectomia e postectomia, que eram alguns dos procedimentos com maiores demandas na plataforma do Sisreg.

Cirurgias de catarata

Já o mutirão de cirurgias de catarata, que começou em abril de 2018, foi uma das ações de maior sucesso. A meta inicial de 15 mil cirurgias, mas até dezembro foram realizados 19.195 procedimentos, incluindo rede própria municipal, hospitais universitários e clínicas privadas contratualizadas pelo SUS.

Texto: Ascom – Prefeitura do Rio de Janeiro
Foto: Marcos de Paula

Reportar Erro