Você sabe quem é Tereza de Benguela e o que ela representa?

Artigo escrito por Rosangela Gomes, deputada federal pelo PRB Rio de Janeiro e coordenadora nacional do PRB Mulher

Publicado em 25/07/2019 - 00:00

Hoje, 25 de julho, é celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latina Americana e Caribenha. No Brasil, essa data faz referência a Tereza de Benguela, mulher quilombola, rainha e chefe de estado, que viveu no século XVIII no Vale do Guaporé. Ela liderou o Quilombo de Quariterê, no estado do Mato Grosso, que resistiu da década de 1730 até o final do século.

Nós, mulheres, sabendo a importância desse dia, precisamos nos manifestar à frente de atividades para marcar a nossa representatividade.

Mulheres negras, assim como eu, e como muitas de vocês, seguimos uma cultura de racismo estrutural na nossa sociedade brasileira. No parlamento, precisamos promover um espaço para fortalecer a atuação política das mulheres negras e dar mais visibilidade.

Segundo dados apresentados pela pesquisa “Estatísticas de gênero – indicadores sociais das mulheres no Brasil“, divulgada em março de 2018 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres estudam por mais anos do que os homens. Ainda assim, entre pessoas de 25 a 44 anos de idade, o percentual de mulheres brancas com ensino superior completo (23,5%) é 2,3 vezes maior do que o de mulheres pretas ou pardas (10,4%). Os dados são reflexos de problemas sociais que, em pleno século XXI, não podem mais ser ignorados.

Considerando-se a cor ou raça, a desigualdade no atraso escolar se apresenta de forma considerável entre as mulheres: 30,7% das pretas ou pardas de 15 a 17 anos de idade apresentaram atraso escolar no ensino médio, enquanto que apenas 19,9% das mulheres brancas dessa mesma faixa etária estavam em situação semelhante.

As mulheres negras (caracterizadas pela soma de dados de pretas e pardas) são ainda as que mais se dedicam aos cuidados de pessoas e afazeres domésticos, com 18,6 horas semanais.

Esse é o mês de lembrar à população brasileira as mulheres negras que foram fundamentais na construção do país e que ainda hoje são invisibilizadas pelo machismo e pelo racismo. Somos negras e somos resistência. Queremos divulgar as ações promovidas pelo PRB Mulher nos estados e contamos com vocês.

*Rosangela Gomes é deputada federal pelo PRB Rio de Janeiro e coordenadora nacional do PRB Mulher

Reportar Erro