Violência contra a mulher na pandemia é tema de live no Piauí

A live foi idealizada pela líder do movimento feminino do estado, Francinete Maia

Publicado em 19/08/2020 - 15:09

Luís Correa (PI) – Na última sexta-feira (14), a secretária estadual do Mulheres Republicanas Piauí, pré-candidata a vereadora, Francinete Maia, realizou uma live no Facebook que teve como convidada a também pré-candidata, Major da Polícia Militar do estado do Piauí, Elizete Lima. O tema escolhido foi para falar sobre aumento de violência à mulher durante o período da pandemia do Covid-19.

Francinete sinalizou que o tema é bastante relevante no período, uma vez que conta com um aumento significativo dos casos, classificando suas principais causas a convivência maçante e isolada com o agressor e também a redução da renda. “Esses e outros fatores podem ter ajudado no aumento de transtornos nos agressores que passam a ver e fazer da mulher um saco de pancadas. Com o isolamento, elas em muitas das vezes não conseguem nem sair para fazer a denúncia”, disse.

Segundo a Secretaria de Segurança do Piauí, somente no mês de março, no início da pandemia, cresceram em 32%, o número de pedidos de socorro, feitos através do botão do pânico do Salve Maria, aplicativo de celular para denúncias de violência contra a mulher no estado. A secretaria ainda declara que em março de 2019 foram feitos 53 chamados de socorro através do aplicativo, já em março de 2020, o número subiu para 70, totalizando ao menos dois casos de violência por dia.

A republicana também destaca que a prevenção precisa vir principalmente das escolas. “Quando vereadora, fui autora da Lei municipal onde as escolas precisam realizar atividades educativas preventivas abordando a violência doméstica, através de palestras para os alunos. Muitos deles relatam a violência, como se fosse normal, sem saber que se trata de violência doméstica e que quando adultos, podem se tornar agressores por terem vivenciado essa situação durante sua infância e juventude. Precisamos estar engajadas na luta contra a violência e ser a voz dessas vítimas”, apontou Francinete.

Major Elizete, convidada da live, também é advogada, professora, doutoranda em direito e especialista em Gestão de Segurança Pública. Para ela o tema é bem atual, mas com uma problemática bem antiga. Engajada na causa, a oficial é defensora das políticas públicas de prevenção ao uso abusivo de drogas e da violência.  “Nossa live foi muito produtiva. Discutimos a violência doméstica de forma leve e descontraída, alertando nossos seguidores para as medidas preventivas que precisamos implementar em nossos municípios. O que poderá ser alcançado mais facilmente com o ingresso de mais mulheres na política, onde se pode fazer de fato a diferença”, disse a republicana que vem como pré-candidata à vereadora pela capital do Piauí, Teresina.

Texto: Gisele Rocha | Ascom Mulheres Republicanas
Fotos: Cedida

Reportar Erro