TPM: jogadoras de futebol começam a ter reconhecimento

Atletas têm salários iguais. Republicana Lana Miranda fala sobre evolução

Publicado em 08/09/2020 - 08:00

Brasília (DF) – Nesta semana uma notícia no mundo do esporte trouxe alegria e reconhecimento às atletas do futebol. O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) informou que as diárias entre homens e mulheres da Seleção Brasileira serão iguais. O valor total recebido pelas jogadoras era inferior do que o salário recebido pelos homens. Houve um pareamento no caso de premiação pelo sucesso nas Olimpíadas também.

Para a republicana do Distrito Federal, atleta de futevôlei, Lana Miranda, há uma evolução constante e perceptível acontecendo. “Hoje a gente sabe que a mulher está protagonizando vários espaços da sociedade. No esporte não seria diferente. O futebol feminino cresceu muito. A gente vê mulheres dirigindo times, sendo árbitras, treinadoras e fisioterapeutas. Isso é muito legal e com certeza as portas estão se abrindo. Cada dia a gente quebra paradigmas e fico feliz por saber que estamos conseguindo essa equiparação”, conta.

Desde março deste ano, a CBF fez uma igualdade de valores em relação a prêmios e diárias entre o futebol masculino e feminino. Jogadoras recebem diária igual aos homens. Aquilo que elas ganharem por premiação em Olimpíadas será o mesmo que homens. Copa do Mundo será igual proporcionalmente ao que a Fifa oferece. Não há mais diferença de gênero.

Antes de 1970, a mulher era proibida por Lei de jogar futebol. Apenas no fim da década de 70 foi revogada essa lei. Ali seria o início de uma nova jornada para a modalidade entre as mulheres. Apesar do fim da proibição, o futebol feminino não recebeu estímulo de clubes e federações. Por não receber uma regulamentação, as proibições continuavam acontecendo. Apenas em 1983 a modalidade foi regulamentada. Com isso, foi permitido que se pudesse competir, criar calendários, utilizar estádios, ensinar nas escolas.

Texto: Gabbriela Veras | Ascom – Mulheres Republicanas Nacional, com informações da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)
Foto: Getty Images

Reportar Erro