Tia Ju volta a Alerj e comemora gestão como secretária de Assistência Social do Rio

Republicana também promoveu ações na Subsecretaria de Políticas para as Mulheres do Rio de Janeiro

Publicado em 07/01/2021 - 09:42

Rio de Janeiro (RJ) – A deputada estadual Tia Ju (Republicanos-RJ) encerrou seu ciclo como secretária municipal de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro e voltou a ocupar sua cadeira como parlamentar da Assembleia Legisltiva. Com a gestão da republicana à frente da pasta, o município recebeu o Certificado Internacional de Governança Migratória, chancelado pela Organização Internacional de Migração (OIM) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Tia Ju lembra dos desafios enfrentados durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). “Logo que assumimos em janeiro, tivemos o carnaval e, no meio dele, umas das maiores chuvas que a cidade do Rio de Janeiro enfrentou. Fevereiro de 2020 foi o mês mais chuvoso dos últimos 23 anos. Em março, chegou a pandemia da Covid-19 e tivemos que nos reinventar. Nossos mais de 335 mil colaboradores foram incansáveis, destes perdemos quatro para o coronavírus. Cuidamos das pessoas, salvamos vidas, garantimos a segurança alimentar de milhares”, ressaltou.

A republicana deixou um legado muito importante para a cidade do Rio e para as pessoas que mais necessitam de cuidados, aquelas que se encontram em vulnerabilidade social. “Nós trabalhamos muito. Foi menos de um ano, mas trabalhamos muito e colhemos muitos frutos. Tratamos dos desafios de acolhimento e serviços à população de rua durante a pandemia, ampliando a rede com a criação de cinco Centros Provisórios de Acolhimento, e três alas no Sambódromo. No âmbito das políticas públicas voltadas para a população feminina, firmamos parceria com a Guarda Municipal e implementamos a Ronda Maria da Penha, visando maior acolhimento de mulheres vítimas de violência doméstica na cidade, entre outras ações”, reiterou.

Algumas ações da republicana na SMASDH

– No carnaval, foram realizadas mais de 20 mil abordagens e distribuição de material informativo;
– Foram mais de 50 vagas abertas para idosos em situação de rua. A parceria com hotéis populares deu início a uma série de centros provisórios de acolhimento CPA’S;
– A SMASDH adquiriu mais de 20 mil cestas básicas para distribuir para a população economicamente atingida pela pandemia;
– A SMASDH iniciou o processo para a confecção de 1,8 milhão de máscaras de pano para a população que realmente precisa sair de casa para trabalhar. As máscaras foram entregues em estações de trem, metrô e BRT.
– Criação da Coordenadoria da Infância e da Adolescência, que passa a integrar a estrutura da SMASDH, por meio do Decreto Rio nº 47739 de 31 de julho de 2020;

Subsecretaria de Políticas para as Mulheres

Durante o período da pandemia, além do aumento de casos da Covid-19, foi grande o aumento no número de denúncias de violência doméstica. Na cidade do Rio de Janeiro, a projeção foi de 50%. Para ajudar essas vítimas, a Subsecretaria de Política para as Mulheres (SUBPM), que faz parte da pasta da SMASDH, montou um esquema especial de atendimento, além de oferecer apoio 24h por dia por meio do teleatendimento. Diversas outras ações também foram pensadas para fortalecer o combate da violência contra a mulher. Uma das ações mais importantes foi a implantação da Ronda Maria da Penha, em parceria com a SEOP. São 50 Guardas Municipais capacitados e quatro viaturas exclusivas. “Proporcionar independência financeira para as mulheres vítimas de violência é uma das formas de acabar com este ciclo de agressões físicas e emocionais. Pensando nisso, foi firmada uma parceria com a empresária Patrícia Leal, empresária de uma rede de fast-foods, para que as vítimas assistidas pelos equipamentos da SMASDH já saiam dos abrigos com empregos garantidos”, disse Tia Ju.

Outra ação importante foi a captação de duas emendas parlamentares, que ultrapassam mais R$ 500 mil e que foram destinadas para cursos de capacitação e incentivo ao empreendedorismo nas duas Casas da Mulher Carioca: Tia Doca, localizada no bairro de Madureira, e Dinah Coutinho, localizada no bairro de Realengo. A SUBPM, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, esteve presente em diversas comunidades do Rio de Janeiro para promover a campanha “Quarentena Sem Violência”. As equipes das pastas levaram informação sobre tipos de violência contra a mulher, como denunciar, como ajudar uma vítima, em locais como Complexo da Maré, Jacarezinho, Morro da Babilônia, Morro Azul, entre outros. A SUBPM conta com quatro equipamentos: As Casas da Mulher Carioca Dinah Coutinho e Tia Doca; o Centro Especializado de Atendimento à Mulher – CEAM e a Casa Viva Mulher Cora Coralina, que é um abrigo sigiloso para mulheres que correm risco iminente de morte e, mesmo em período de pandemia, nenhum deles parou de funcionar. No total, foram realizados até o mês de novembro deste ano mais de 11.500 atendimentos.

Texto: Ascom – deputada estadual Tia Ju
Edição: Gisele Rocha / Ascom – Mulheres Republicanas
Foto: cedida

Reportar Erro
Send this to a friend