Republicanas inspiram pré-candidatas em live nacional do partido

Desafios e resiliência para lidar com a violência política, foram alguns dos temas abordados

Publicado em 14/08/2020 - 08:33

Brasília (DF) – A live nacional em comemoração aos 15 anos do Republicanos desta quinta-feira (13), abriu espaço para o time feminino do partido. As deputadas federais Rosangela Gomes, Aline Gurgel e Maria Rosas; a secretária nacional de Política para as Mulheres (SNPM), Dra. Cristiane Britto e a chefe de gabinete do Republicanos na Câmara, Tiana Silva, falaram dos desafios da mulher na política. A apresentação da live foi feita pela coordenadora da Agência Republicana de Comunicação, Helen Assumpção.

O principal desafio, que na visão das republicanas é algo ainda velado, é a violência política, que é o ato de desanimar ou impedir que mulheres exerçam o direito de se candidatarem. Falando da sua própria experiência, a secretária nacional do Mulheres Republicanas, Rosangela Gomes, contou o que viveu em seu primeiro mandato, quando foi vereadora. “No meu primeiro mandato de vereadora em Nova Iguaçu eu fui extremamente isolada. A última cadeira do parlamento era minha. Todos os agravantes que uma mulher poderia ter, eu tinha: negra, pobre, da periferia e evangélica. Hoje nós já evoluímos muito, mas não podemos desanimar”, contou.
Ressaltando medidas para acabar com esse comportamento que compromete as pré-candidaturas femininas, a deputada federal Maria Rosas destacou a autoconfiança como grande aliado: “Ainda é muito difícil porque vivemos em uma sociedade muito patriarcal e machista, mas você, pré-candidata, tem que saber o seu potencial e se valorizar, porque nesse período principalmente de pré-eleição, sempre existirão pessoas para te desanimar. Tem que estar pronta para lutar pelos seus objetivos e assim ninguém vai tirar isso do seu coração e mente”, aconselhou.
Partilhando do mesmo pensamento e com o objetivo de incentivar as mais de 250 participantes da live, a presidente do Republicanos Amapá, deputada Aline Gurgel explicou que as portas estão se abrindo para as mulheres. “A nossa parte é incentivar a participação das mulheres na política. Eu sou uma mulher que tive acesso à cota, pois o Republicanos cumpriu a regra e a Lei. Foi um avanço, mas precisamos avançar cada vez mais. Não podemos desistir. Aqui tenho voz, vez e sinto-me respeitada pelos meus colegas, não me sinto de forma nenhuma deixada de lado”, disse a republicana que visa engajar as mulheres que almejam espaço dentro do partido.
Para não ficar dúvidas sobre o tema, a chefe da SNPM, Dra. Cristiane Britto, deu exemplos da violência política para abrir os olhos das participantes da live. Além disso, ela trouxe um dado preocupante, onde diz que pelo menos 53% das mulheres já sofreram algum tipo de assédio ou violência política. Como dispositivo para combate a essa prática errada, ela citou um projeto da deputada Rosangela Gomes que visa prevenir e punir quem cometer o tipo de violência.

“A deputada Rosangela conseguiu de uma forma muito objetiva e pontual demonstrar o que é a violência política por meio de um projeto de Lei. Esse tipo de violência é composta por atitudes que foram naturalizadas ao longo dos anos. O fato de não ter um banheiro feminino no plenário federal até 2016 é um claro exemplo de violência política. É como se falassem ‘mulher, aqui não é o seu lugar’. É preciso denunciar, procure o juiz eleitoral e o ministério público. Não podemos nos calar”, motivou.
Ao mostrar dados sobre o avanço do Republicanos nas eleições, foi possível ver o crescimento notório do partido. Em 2010, por exemplo, a agremiação contou com 38 candidatas a deputadas federais, mas nenhuma foi eleita. Oito anos depois, foram 82 candidatas e três eleitas. Sem contar o número de votos recebidos pelo partido que em 2010 somou-se 28.407 votos, pulando para 407.502 em 2018. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral e a meta do Republicanos é que esses números cresçam exponencialmente nas eleições que se avizinham.

Republicanas em ação

Para falar da atuação das republicanas no Congresso Nacional, a convidada foi a chefe de gabinete do Republicanos na Câmara, Tiana Silva. Considerada a mãe de todas as parlamentares do partido, ela que acompanha diariamente o trabalho dos deputados, contou “é um orgulho trabalhar para o Republicanos”.
Sobre as republicanas, Tiana ressaltou: “Elas são comprometidas, são diligentes e atuam com muita competência”, e ainda discorreu minuciosos elogios sobre cada uma delas.

Endossando ainda mais a necessidade de apoio e crescimento das mulheres na vida pública, a republicana falou sobre a questão da discriminação de gênero, raça e pediu: “Vamos pegar nas mãos das mulheres. Vamos instruir as mulheres”, disse a chefe de gabinete. Tudo isso para que o gênero feminino tenha cada vez mais conhecimento de seus direitos e saibam lutar com uma das melhores armas que é a inserção da mulher na vida pública.

Texto: Gabbriela Veras com colaboração de Carolina Ribeiro | Ascom – Mulheres Republicanas
Fotos: reprodução

Reportar Erro