Prêmio Maria Felipa ocorrerá em versão on-line

Prêmio Maria Felipa ocorrerá em versão on-line

A vereadora Ireuda Silva será a anfitriã do evento que homenageia mulheres negras

Publicado em 12/07/2020 - 19:00

Salvador (BA) – O Prêmio Maria Felipa que acontece em Salvadora anualmente chega à 11ª edição com data marcada. Será no dia 25 de julho, quando se é comemorado o Dia Nacional da Mulher Negra, e Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha.

Neste ano, devido a pandemia do novo coronavírus, a premiação vem com um novo formato totalmente online, seguindo, assim, as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O prêmio, que reconhece a atuação de mulheres negras no combate ao racismo e na luta por direitos, será conduzido pela presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher na Câmara de Salvador, a republicana e vereadora de Salvador, Ireuda Silva. Ela afirma que a homenagem serve para elencar quem é símbolo de resistência.

“Esse prêmio é para destacar nossas Felipas! Mulheres Negras que se destacam na luta pela equiparação social e de direitos, com a erradicação do preconceito e alcance do empoderamento feminino que são sinônimo sempre de resistência. Tudo isso para garantir a nossa existência nos diferentes espaços dentro da sociedade e a posição de visibilidade. Serão enaltecidas e homenageadas essas guerreiras no Dia Internacional da Mulher Negra Latino Caribenha”, disse a republicana.

Quem foi Maria Felipa? – Maria Felipa de Oliveira foi uma marisqueira e pescadora que viveu na Ilha de Itaparica. Assim como Joana Angélica e Maria Quitéria, ela lutou pela Independência da Bahia. Em 1823, liderou um grupo composto por mais de 200 pessoas, entre as quais estavam índios tupinambás e tapuias, além de outras mulheres negras, nas batalhas contra as tropas portuguesas que atacavam a Ilha. Conta-se que o grupo foi responsável pela queima de pelo menos 40 embarcações portuguesas.

Texto: Gisele Rocha / Ascom – Mulheres Republicanas Nacional
Foto destaque: Cedida

Reportar Erro