Pré-candidata à Prefeitura de Nova Iguaçu, Rosangela Gomes fala sobre desafios

Republicana buscará a chefia do Executivo em sua cidade natal no Rio de Janeiro

Publicado em 24/09/2020 - 08:55

Nova Iguaçu (RJ) – Rosangela Gomes, que está no seu segundo mandato na Câmara dos Deputados, é a 4º vice-presidente nacional do Republicanos e secretária nacional do Mulheres Republicanas. Ela que guarda na bagagem uma vasta experiência política, tenta, em 2020, a chefia do Executivo de sua cidade natal, Nova Iguaçu, localizada na Baixada Fluminense (RJ).

Rosangela é nascida e criada no bairro do Cobrex, e sempre morou no município de Nova Iguaçu. Oriunda de família humilde, os pais com problemas de alcoolismo, ela é sobrevivente da doença do século: a depressão. Com uma vida nada fácil, pela pobreza que vivia e pelo racismo que sempre foi presente em sua vida, a religião e a política foram a base para que hoje ela possa compartilhar seu testemunho e ter uma vida diferente do que estava prevista. “A depressão me fez tentar o suícidio, pois eu não estava mais suportando os problemas da vida. Deus me deu uma segunda chance e agarrei com unhas e dentes. Ser mulher, negra e pobre, é extremamente difícil neste país, além disso, vivi de perto o retrato da violência doméstica. Esses fatores fizeram sempre parte da na minha vida, uns já superados, mas nunca esquecidos, e outros eu aprendi, depois de muita luta, a superá-los e conviver”, ressaltou Rosangela.

A deputada foi vendedora ambulante nos sinais de trânsito, já trabalhou como auxiliar em serviços gerais em uma clínica dentária, foi instrumentadora cirúrgica e auxiliar de enfermagem na Cruz Vermelha, no Hospital Renaud Lambert e no Hospital da Posse, em Nova Iguaçu. É formada em Direito pela Universidade Cândido Mendes e pós-graduada em Políticas Públicas e Direito Público pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. “A educação mudou a minha vida”, destacou.

Na política, a republicana foi vereadora por três legislaturas consecutivas por Nova Iguaçu, sendo referência feminina na Câmara Municipal. No ano 2000, era a única mulher na Câmara Municipal. Já em 2004, foi reeleita como a vereadora mais votada da Baixada Fluminense.

Nas Eleições 2006, Rosangela Gomes atendeu a convocação do seu partido e concorreu ao Senado Federal, atingindo a marca de 262.132 votos, como suplente. Foi eleita para o primeiro mandato como deputada estadual nas Eleições 2010. “Na Alerj fui presidente da Comissão de Prevenção ao Uso de Drogas e atuei nas comissões de Combate às Discriminações e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião; Defesa dos Direitos da Mulher; Saneamento Ambiental e Segurança Alimentar e relatora da Comissão Especial para Tratar da Deficiência do Abastecimento de Água na Baixada Fluminense”, apontou. Já em 2014, tentou as eleições para a Câmara Federal, onde saiu vitoriosa e reafirmou seu compromisso com a população em 2018, quando mais uma vez garantiu a vitória nas urnas, sendo reeleita a deputada federal, com 63.952 votos.

Entrevista

Mulheres Republicanas – Como ingressou na política?
Rosangela Gomes – Minha vida na política começou há mais ou menos 20 anos. Me envolvi com a juventude e participei de diversas ações sociais. Pude ver que eu, sozinha, não fui vítima da sociedade e que muitas pessoas precisavam de ajuda e de políticas públicas para sair da situação. Assim, abracei a causa da juventude menos favorecida e abandonada pela e liderei um projeto voltado para jovens, a fim de ressocializar aqueles que em virtude de problemas familiares e emocionais, gerados por fatores econômicos e sociais ficaram desprezados sem perspectivas de um futuro promissor.

Mulheres Republicanas – Porque escolheu o Republicanos?
Rosangela Gomes – Estou no Republicanos desde 2006, praticamente desde a sua fundação. O partido me acolheu e me deu voz e representatividade. O Republicanos respeita as mulheres como agentes políticas. Assumi a secretaria nacional do movimento feminino do partido em 2011 e desde lá fazemos a diferença, recrutando mulheres para lutar pelos seus direitos. Temos representatividade em todos os estados e no Distrito Federal.O apoio do partido e do nosso presidente é fundamental. Isso nos encoraja e nos motiva todos os dias.

Mulheres Republicanas – Como você vê o papel da mulher na política?
Rosangela Gomes – Vejo como fundamental, somos 52,5% do eleitorado. Somos multifuncionais e nossa participação é essencial. O que acho que ainda falta é a mulher saber usar a força que tem para fazer a diferença no cenário político do Brasil, e da sua cidade e/ou estado. Somos poucas no Congresso, no Senado, muito poucas nas Câmaras municipais e menos ainda no executivo municipal. Entretanto, vejo uma crescente e tenho certeza que teremos muitas mulheres eleitas em 15 de novembro.

Mulheres Republicanas – Qual sua prioridade se eleita?
Rosangela Gomes –
Quero trazer para o cidadão, o orgulho de ser iguaçuano. Vou preparar a cidade para os próximos 10 anos, quero ver Nova Iguaçu desenvolvida,em todas os segmentos. Dar às crianças uma educação integral e de qualidade, melhorar a saúde com um atendimento humanizado e dar qualidade de vida para as pessoas. Além de protagonizar o empreendedorismo e dar representatividade para as mulheres. Quero empoderá-las, dentro de suas casas, no mercado de trabalho, na política e/ou onde elas quiserem estar.

Mulheres Republicanas – Qual o seu diferencial na política?
Rosangela Gomes – O diálogo. Quero uma cidade do povo. Vou ouvir e agir mais do que falar. Quero uma Nova Iguaçu com a cara da nossa gente.

Texto: Gisele Rocha / Ascom – Mulheres Republicanas
Foto: Douglas Gomes

Reportar Erro