Defesa pessoal é tema de workshop para republicanas no Ceará

Mulheres Republicanas do Ceará realizou workshop que proporcionou à republicanas e convidadas aula de defesa pessoal Krav Maga

Publicado em 24/10/2019 - 00:00

Fortaleza (CE) – A violência à mulher infelizmente tem se tornado algo crescente em todo o mundo. Com isso, o Mulheres Republicanas Ceará teve a iniciativa de realizar, na última quinta-feira(17), workshop que proporcionou à republicanas e convidadas aula de defesa pessoal Krav Maga.

A realização do workshop teve como objetivo a prevenção e contou com uma especialista para explicar o sentido da luta às 20 mulheres que participaram da ação. “Nós, infelizmente, ficamos vulneráveis em uma situação de risco. Então, é importante sabermos como se defender. Afinal, é melhor saber e não precisar do que precisar e não saber. Precisamos mostrar que não somos sexo-frágil, como a sociedade categoriza”, ressaltou Cássia.

Defesa pessoal é tema de workshop para republicanas no CearáA arte marcial de origem Israelita, consiste em um método de combate corporal muito assertivo e eficaz. Trata-se de uma forma de luta e defesa pessoal que tem como objetivo principal a salvaguarda de interesses e a defesa da honra de todos os seus praticantes.

Roberanes Santos foi o responsável por passar um pouco de sua sabedoria com o Krav Maga às mulheres, por meio de uma aula dinâmica e didática. Formado em Educação Física e pós-graduado em Lutas de Artes Marciais, Esportes de Combate pela UECE – Universidade Estadual do Ceará, Santos acredita que a arte marcial proporciona à mulher diversos benefícios. “O Krav Maga é ótimo para a autoestima e alivia o estresse, além do mais, ele promove de forma eficiente a consciência corporal cooperando também com a melhora da saúde e o fortalecimento da musculatura”, disse Roberanes.

Violência à mulher no Ceará

O Núcleo Especializado de Defesa e Promoção dos Direitos da Mulher do Ceará recebeu, em 2018, cerca de 4.388 atendimentos. Entre as queixas: crime, medida protetiva e dissolução de união estável. Um outro dado, do Monitor da Violência, durante o último ano, o Ceará foi o segundo que mais matou mulheres. Dos 352 casos registrados, 18 estão relacionados ao feminicídio.

Texto: Carolina Ribeiro / Ascom – Mulheres Republicanas
Fotos: Mulheres Republicanas Ceará

Reportar Erro