Casa da Mulher Brasileira é alternativa contra a violência doméstica

Pelos menos cinco Casas serão construídas no país com o objetivo de minimizar a violência

Publicado em 20/07/2020 - 17:20

Brasília (DF) – Com a chegada da pandemia do coronavírus, milhares de mulheres se viram obrigadas a conviverem 24 horas por dia com seus algozes. Com isso, os casos de violência doméstica quase que dobraram nas principais capitais brasileiras. Um freio para parar esse número é a Casa da Mulher Brasileira (CMB). O espaço, nos próximos meses, será instalado em Mato Grosso e no Distrito Federal.

Na capital do país, serão construídas quatro unidades de atendimento às vítimas.  A estrutura do serviço de atendimento a mulheres em situação de violência e vulnerabilidade social será implantada nas regiões administrativas de Sobradinho, Recanto das Emas, Sol Nascente e São Sebastião.

A secretária do Mulheres Republicanas Distrito Federal, Tânia Teixeira, conta que as cidades têm uma grande demanda já que os casos de violência doméstica são recorrentes.  “Estamos em festa aqui no DF por mais quatro Casas que serão aqui implantadas e em áreas que sabemos terem índices altos de violência contra a mulher. Essas unidades representam um avanço na estrutura de atendimento às mulheres em situação de vulnerabilidade e aproveitamos para agradecer, em especial, ao nosso republicano, o deputado federal Júlio César, pela destinação de emendas para a construção dessas novas estruturas, bem como a toda bancada do DF”, disse.

As sul-mato-grossenses também poderão contar com uma Casa da Mulher Brasileira. No último mês o local foi inaugurado mediante uma grande urgência. De acordo com o Ministério da Mulher, um estupro ocorre a cada sete horas no estado e Campo Grande é a capital brasileira com a maior taxa de atendimentos registrados na Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180.

Casa da Mulher Brasileira

Criada em 2013, a Casa da Mulher Brasileira faz parte do programa Mulher Segura e Protegida, do Ministério da Mulher. O maior diferencial da iniciativa é oferecer 24h por dia, em um único espaço, serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres. Estão em funcionamento no país unidades em Curitiba (PR), São Luis (MA), Boa Vista (RR), São Paulo (SP) e Fortaleza (CE). Brasília já conta com uma casa, que está em fase de readequação.

Texto: Gabbriela Veras /Ascom – Mulheres Republicanas Nacional
Foto: reprodução

Reportar Erro