Bárbara Penna é homenageada em exposição fotográfica na Câmara de Porto Alegre

A republicana, que já foi vítima de violência doméstica, foi uma das modelos homenageadas na exposição sobre o tema

Publicado em 25/11/2021 - 10:14

Porto Alegre (RS) – No Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, comemorado nesta quinta-feira (25), e o início dos ‘16 dias de ativismo’ pelo fim da violência contra as mulheres, o Mulheres Republicanas destaca o lançamento da exposição fotográfica, na Câmara Municipal de Porto Alegre, onde a republicana Barbara Penna, vítima de violência doméstica, foi uma das homenageadas.

O evento foi promovido pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul em parceria com a Câmara, onde Barbara é suplente de vereador pelo Republicanos.

Em 2013, Bárbara foi vítima de violência doméstica, onde teve 40% do corpo queimado e os dois filhos assassinados pelo ex-marido.  A exposição visa chamar a atenção sobre a temática da violência contra as mulheres e faz parte das ações desenvolvidas no terceiro eixo do programa de enfrentamento à violência doméstica da Polícia Civil-RS, ‘Programa Polícia Civil por Elas’, com o objetivo de promover, por meio da fotografia, o resgate da autoestima e o empoderamento de mulheres que se encontram fragilizadas em decorrência dos atos de violências sofridas no âmbito doméstico familiar.

“Tive a honra de ser uma das modelos, e mesmo que a tragédia na minha vida já tenha passado alguns anos, ainda muito me dói lembrar, falar e mostrar toda a barbárie que eu vivi. Mas, se eu puder salvar pelo menos uma família, e dar-lhes o apoio que eu não tive, com certeza já vale a pena todo o esforço que eu venho fazendo há tantos anos”, disse Bárbara.

Depois da tragédia, a republicana criou o ‘Instituto Barbara Penna’, com o objetivo de combater a violência doméstica por meio do apoio às mulheres que vivem situações como as que ela viveu. Bárbara ressalta que além dos traumas internos, ela convive com as marcas da violência no seu corpo. “De todas essas mulheres, eu sou a única possuindo sequelas visíveis. E durante a minha fala na abertura dessa exposição, eu pude dizer com asserção que cada caso é único e que todas as histórias necessitam da atenção das repartições competentes que acolhem essas vítimas”, destacou.

16 dias de ativismo

Os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres começam nesta quinta-feira (25), que é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e terminam no Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro. A campanha é uma mobilização mundial que ocorre em mais de 160 países. Aqui no Brasil, ela ocorre desde 2003.

A data é uma homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como Las Mariposas, assassinadas em 1961 por integrarem a oposição ao regime do ditador Rafael Trujillo, na República Dominicana.

Como denunciar

As denúncias de violência contra a mulher podem ser feitas por qualquer pessoa, até mesmo de forma anônima, através do serviço gratuito ‘Ligue 180’. O canal encaminha o conteúdo dos relatos aos órgãos competentes e monitora o andamento dos processos que surgirem. A ligação é gratuita e o atendimento funciona o tempo todo.

Fonte: Agência Brasil e Ascom – Barbara Penna
Edição: Ascom – Mulheres Republicanas nacional
Foto: cedida

Reportar Erro
Send this to a friend