Infantilizar o idoso é ignorar sua história de vida!

Mensagem do Secretário Nacional do Idosos Republicanos, Deputado Federal Ossesio Silva

Publicado em 21/08/2020 - 10:14

A preservação da autonomia do idoso é um direito previsto no Estatuto do Idoso (Art. 10, § 2º do Estatuto do Idoso), que significa exercer à sua capacidade de gerir a própria vida e tomar decisões, incluindo o direito à opinião e à expressão.

Entretanto, ao infantilizarmos a pessoa idosa, subtraímos dela a oportunidade de viver de acordo com seus desejos e sua própria vontade, o que caracteriza uma violação do direito supramencionado. Muitas vezes, nos esquecemos que se tratam de pessoas que passaram pelas primeiras etapas do desenvolvimento humano e que podem continuar sendo protagonistas de suas próprias vidas.

Ao infantilizar o idoso estamos ignorando a sua história de vida. Desconsideramos que cada ruga traz consigo experiências, histórias, lembranças e sabedoria construída com muito sacrifício e vivência ao longo dos anos. Olvidamos que eles são os responsáveis pela construção e evolução da nossa sociedade, pois sem eles, nunca teríamos chegado até aqui!

Em alguns casos, os idosos podem ter a saúde comprometida, o que faz com que precisem de cuidados e atenção especial. Todavia, este fato não pode levar as pessoas a tratá-los como crianças. Ajudar e amparar os pais na velhice, seja por carência ou enfermidade, é um dever constitucional dos filhos, e jamais pode ser confundido com infantilização.

É fundamental valorizar o idoso respeitando sua autonomia, que é o poder de tomar decisões. O simples fato de ser idoso não impede o indivíduo de decidir. Respeitar esse direito, significa preservar a dignidade e a liberdade de escolha dos nossos idosos.

Mensagem do Secretário Nacional do Idosos Republicanos, Deputado Federal Ossesio Silva

 

Reportar Erro